[Resenha] O Visconde que me amava


capaLivro: O Visconde que Amava
Autora: Julia Quinn
Ano: 2013
Editora: Arqueiro
Páginas: 304 
Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.

Façam suas apostas, um novo embate está pra começar!

Antes de tudo tenho que falar que se Mr. Darcy e Elizabeth Bennett eram um casal que soltava faíscas graças ao temperamento deles, Anthony e Kate, não são diferentes. Enquanto o primeiro casal formavam faces dissociativas devido a personalidades opostas, ainda que com um pouco de similaridade ocasionais, entre Kate e Anthony a convergência de caráter é o catalisador dos atritos iminentes dos dois, o visconde já conhecido por sua arrogância, enquanto que Kate de doce não tem nada, algo inesperado para ele que confirma isso pessoalmente e da pior forma, um confronto hilariante, sagaz e cheio de altos e baixos.

A Kate é de longe uma de minhas favoritas no quesito heroína, como bem colocado posso dizer “ela tem fibra, tem raça” e é justamente esse o catalisador dos incontáveis desencontros entre o libertino assumido e reconhecido por toda a alta sociedade londrina, o visconde Anthony Bridgerton, que é orgulhoso e desde cedo aprendeu a assumir seus objetivos como uma missão a ser cumprida, não renegada. Era chegada a hora de estabelecer-se por meio do matrimônio, afinal ele sabia que como um aristocrata deveria gerar herdeiros e para isso precisaria de uma companheira capaz de lidar com um Bridgerton e permanecer firme quando ele não estivesse mais presente.

– Estou pensando em me casar.
Benedict Bridgerton, que estava praticando um hábito que a mãe detestava – inclinar a cadeira para trás –, começou a cair. Colin engasgou.

No entanto  tudo o que ele não esperava era que o diamante da temporada e sua “eleita” para sua missão matrimonial, fosse ninguém menos que Edwina Sheffield, irmã mais nova de Kate, que por sua vez está mais perto de se tornar uma solteirona, do que alvo da atenção de possíveis pretendentes. Mas não é como se isso tirasse sua dignidade, assim como Anthony, ela mantém seu objetivo em vista, como algo vital a ser protegido, o visconde se torna um perigo ao cortejar Edwina e balançar o equilíbrio do mundo de Kate, um libertino assumido rondando sua irmã? Nem pensar!

– Decerto o senhor não é o primeiro dos idiotas enamorados de Edwina a tentar conquistá-la através de mim.

Para piorar, Anthony soube da declaração de Edwina de que só aceitaria um matrimônio com a benção de sua irmã – anormal para o época, já que quem teria a palavra seria um irmão – então ele inicia uma corrida para impressionar tanto Edwina, quanto Mary e mais importante ainda Kate, que vem a ser empecilho ainda maior do que ele esperava, a língua ferina e personalidade marcante dela faz com que um duelo de interesses de igual para igual comece, nem mesmo intervenções externas podem quebrar a inegável disparidade gerada quando esses dois decidem impor suas vontades e defender suas ambições.

Por mais que doa a esta autora concordar com os livros de apostas (que são escritos por homens e, por consequência, cheios de erros), ela precisa concordar com a previsão.
Lady Bridgerton em breve terá uma nora. Mas, quem quer que ela seja – e com qual dos irmãos vai se casar – ah, queridas leitoras, é isso que todos querem saber.
Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown, 29 de abril de 1814 

Dando sequência a uma série deliciosa de acontecimentos, Julia oferece bem mais que um romance divinamente bem desenvolvido, oferece a interação cômica e amorosa dessa família que conquista personagens admiradores não somente em seu contexto do século XIX, como nós, amantes de um bom livro. Sem perder o ímpeto a problematização de características peculiares dos personagens, além de uma jogada de mestre, se encaixa perfeitamente no contexto, de forma a homogenizar os fatos, como o temor do visconde quanto a sua estimativa de vida e Kate que usa uma armadura para se manter diante dos disparates que podem lhe afligir.

A inserção dos outros membros da família no transcorrer da trama, é além de genial, torna o enredo bem mais afável, de forma que permite traçar as diferenças nas personalidades dos irmãos Bridgertons, cada um agrega uma culpa considerável nos rumos que a história toma. Com o destaque da vez para Violet, a mãe mais casamenteira de todos os tempos, Colin, que sutilmente intervinha nos momentos menos sutis – em prol da própria satisfação -, a sempre onipresente e audaciosa Lady Whistledown que deixa todos famintos por mais de suas colunas e mortalmente curiosos para desvendar sua identidade e por último e não menos importante, a abelha, não qualquer abelha, A abelha que com seu ferrão enlaçou um casal que parecia estagnado no estágio da negação dos sentimentos, eu encarecidamente dedico este momento a ela, obrigada.


Não sei se vocês sabem, mas está em andamento a campanha #8WeeksofBridgertons e aqui no blog vocês irão poder acompanhar a semana de cada Bridgerton, sitam-se bem-vindos a compartilhar suas passagens favoritas da obra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s