[Resenha] Tudo e Todas as Coisas

capa tudo e todas as coisasLivro: Tudo e Todas as Coisas
Autora: Nicola Yoon
Ano: 2016
Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
Sinopse: Minha doença é tão rara quanto famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. 
Qualquer coisa pode desencadear uma série de alergias. 
Não saio de casa nunca sai em toda minha vida. As únicas pessoas com quem convivo são minha mãe e minha enfermeira, Carla.
Eu estava acostuma com minha vida até o dia que ele chegou. 
Pela janela olho para o caminhão de mudança, e então o vejo. 
Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos pés. Seus olhos são de um azul como o oceano.
Ele me pega observando-o e me encara. Encaro-o também. Descubro depois que seu nome é Olly.
Talvez eu não possa prever o futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me apaixonar por Olly. 
E é quase certo que será um desastre.

Quer se emocionar hoje?

Assim como Beleza perdida, A Culpa é das estrelas e Como eu era antes de você, Tudo e Todas as Coisas intriga pela capa cheia de significados e indo além, cativa e deixa marcas em nossa mente, como um abrasador cheio de palavras e sentimentos tenros, generoso em reflexão e lindas passagens. Uma ótima pedida para quem quiser se envolver e sentir, pois o que afirmo com toda a convicção é: os sentimentos ficam à flor da pele, desde compaixão a satisfação plena.

Aos 18 anos de idade, Madeline nunca saiu de sua casa, ainda bebê recebeu o diagnóstico perturbador de IDCG (Imunodeficiência Combinada Grave), devido a uma crise respiratória, desde então sua vida se resume a ‘esterilização’ de tudo e qualquer coisa em que mantenha contato, suas únicas companhias possíveis são a mãe, que é médica e a amiga da mesma, consequentemente ambas são mais como supervisoras constantes da condição de Maddy, a garota que amuada em seu quarto sente vontade de viver um pouco do mundo exterior, sentir a grama, caminhar, estar com outras pessoas, pequenos desejos – ao nosso ver – que permeiam o encanto de quem lê pela conturbada Madeline.

▪ Sempre tive curiosidade por ler esse livro desde a publicação. E com o filme se aproximando, eu comecei a ler e simplesmente não consigo parar! ▪ Minha doença é tão rara quanto famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode desencadear uma série de alergias. Não saio de casa. Nunca saí em toda minha vida. As únicas pessoas que já vi foram minha mãe e minha enfermeira, Carla. Eu estava acostumada com minha vida até o dia que ele chegou. Olho pela minha janela para o caminhão de mudança, e então o vejo. Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos pés. Seus olhos são de um azul como o oceano. Ele me pega olhando-o e me encara. Olho de volta. Descubro que seu nome é Olly. Talvez eu não possa prever o futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me apaixonar por Olly. E é quase certo que será um desastre." #books #book #read #reading #reader #page #pages #paper #instagood #kindle #nook #library #author #bestoftheday #bookworm #readinglist #love #photooftheday #imagine #plot #climax #story #literature #literate #stories #words #text

A post shared by 🦄 Alê Ribeiro 🌈 (@blogoutrogarotolendo) on

Olly é um adolescente comum, com sua personalidade aventureira, que se comprova pela prática do parkour – modalidade esportiva que consiste em explorar as aptidões do corpo – que acaba de mudar-se com sua família para a casa vizinha a de Maddy. Com o hábito de subir ao telhado de casa, ele percebe a misteriosa vizinha, aos poucos se afeiçoando a ela por meio de mensagens, acendendo nele o desejo de estar perto dela, o mesmo que Maddy deseja.

Com o desenvolvimento da amizade com Olly, Madeline floresce, como se ele fosse a luz solar – o pedaço do mundo externo – que pudesse impulsiona-lá a ser mais feliz, a viver fora do casulo que a prende a vida restrita dela, o desejo de viver agora parece arder e Olly tenta fazer isso junto a ela, com a constante ameaça a vida de Maddy, que não quer se abalar e se esforça para ser o sempre quis, mas nunca pode: uma pessoa capaz de sentir, ser, levando-a ao limite de sua condição.

O livro já está seguindo rumo na adaptação para as telonas, o que só reafirma o quanto é promissora essa produção que sinceramente aguardo bem mais que ANSIOSA! Os escolhidos para interpretarem Maddy e Olly são Amandla Stenberg (Rue em Jogos Vorazes) e Nick Robinson (Zach Mitchell em Jurassic World, O Mundo dos Dinossauros).

A narrativa de Yoon me lembrou mais do que uma pessoa salvando a outra, me fez refletir quanto ao meu entorno e a preciosidade de me permitir fazer tantas coisas imagináveis, Nicola Yoon criou uma história linda sobre superação e o quanto o afeto pode fazer alguém se sentir vivo, aquecido sob a perspectiva de ser querido profundamente por alguém, seja da família, amigos ou parceiros.


Cada minuto que passei junto a esse livro vou guardar comigo!

Anúncios

2 comentários em “[Resenha] Tudo e Todas as Coisas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s