[Anime] Julgando um anime pela abertura

As músicas são marcantes e a melhor forma de comunicação, por sua facilidade atrelada a uma melodia que envolve o ouvinte, em animes as aberturas e encerramentos são bem… tão bem pensados que deixam uma marca de quem curte o gênero, inclusive muitas delas são parte da infância de uma enormidade de pessoas, as clássicas como Pegasus Fantasy – só o hino da minha vida – de Cavaleiros do Zodíaco, Guerreiras Mágicas de Guerreiras Mágicas de Rayearth, mas são só as nacionais? Não, as japonesas tem espaço também e a lista de hoje é composta de indicações dedicadas à elas:

Sakamoto desu ga?

Com um protagonista totalmente cool, cooler, coolest, Sakamoto mais do que digno de uma abertura arrebatadora, chega dá vontade de soltar o som e viver de repeat por dias a fio.

Shingenki no Kyojin (TODAASS!!)

Depois do retorno brutal do anime para a 2ª temporada, simplesmente aconteceu de dar uma vontade insana de rever o anime todo e ainda maior de rever as aberturas, a abertura da primeira metade da 1ª temporada é a mais eletrizante, a da 2ª temporada foi um momento de choque pelo tempo espera para o retorno do anime, mas 2 semanas depois já estava a plenos “Sasageyo, sasageyo, sinto wo sasageyo!”

HaNaYaMaTa

Esse é um dos animes mais fofos e animados que já assisti, desde o enredo e interação das personagens um sentimento de amizade é crescente e na abertura isso fico bem claro, inclusive transpassando um agradável vontade de ter amigos ao redor, de ser só pessoas, uma abertura dessa é só amor!

Noragami (Não sou capaz de opinar!!)

Se alguém deixar escapar que pula as aberturas de Noragami, sinceramente, eu mesma já excluo de qualquer laço próximo, é não respeitar o herói, ninguém em sã consciência pula esse começo magnífico.

Kuroko no Basket

São várias aberturas para esse anime, todas são maravilhosas, porém fiz questão de selecionar a favorita, porque esse anime o que tem de ótimo conteúdo e adrenalina, tem de boas aberturas e encerramentos, te desafio a negar essa maravilhosidade musical!

Yuri!!! On ice

Essa maravilha que dilacerou corações ao redor do mundo tinha que estar nessa lista, só esse começo é uma conquista certeira para ver o anime e ainda cantar a música a plenos pulmões – inclusive recomendo – fazer uma coreografia na pista de patinação de gelo.

Kaichou wa maid-sama

Somente o meu shoujo favorito e claro uma abertura marcante ganha logo espaço naquela lista de mais amadas para todo o sempre, uma vontade de chorar e cantar loucamente acomete qualquer fã de Kaichou!

Shiki

Quando o anime é de terror, o impacto da abertura começa a invadir até o psicológico, com sutis toques do que terá na trama, Shiki retrata um realidade onde vampiros são devastadores estratégicos e os humanos são presas a serem seduzidas e enlaçadas por esse “charme” sanguinário.

Anúncios

[Resenha] Três Coroas Negras

tres_coroas_negras_1493838855672939sk1493838855bLivro: Três Coroas Negras

Autora: Kendare Blake

Editora: Globo Alt

Ano: 2017

Páginas: 304

Sinopse: Três herdeiras da coroa, cada uma com um poder mágico especial. Mirabella é uma elemental, capaz de produzir chamas e tempestades com um estalar de dedos. Katharine é uma envenenadora, com o poder de manipular os venenos mais mortais. E Arsinoe é uma naturalista, que tem a capacidade de fazer florescer a rosa mais vermelha e também controlar o mais feroz dos leões.

Mas para coroar-se rainha, não basta ter nascido na família real. Cada irmã deve lutar por esse posto, no que não é apenas um jogo de ganhar ou perder: é uma batalha de vida ou morte. Na noite em que completam dezesseis anos, a batalha começa.

19961488_1363211490461604_6364977868342332297_n

Três irmãs, nascidas do mesmo ventre, tem como destinos matar umas as outras para que apenas a que restar assuma o trono como Rainha.

Três rainhas sombrias
Num vale vêm ao mundo,
Pequenas doces trigêmeas
Nutrem um ódio profundo
Três irmãs sombrias
Lindas de se ver
Duas devem ser devoradas
E uma Rainha por ser

Durante anos, os Envenenadores estão no poder, por isso a Rainha Katherine gasta horas e mais horas de seu dia cercada de venenos se preparando para o Grave Noir de Beltane. Onde durante a Aceleração, ela deverá se deliciar com um banquete preparado com os venenos mais mortais do mundo.

Arsinoe treina seus talentos todos os dias. Mas infelizmente eles ainda não se desenvolveram o suficiente para a Aceleração que se aproxima. Se ao menos seu Familiar aparecesse e mostrasse a todos que ela é a um das Naturalistas mais fortes da Ilha….

Raios, trovões, tempestades. Tudo isso é muito fácil para Rainha Elemental Mirabella. Seu dom apareceu de forma tão natural como acordar de manhã. As sacerdotisas acreditam que ela irá assumir facilmente ao Trono Negro, e derrotará suas irmãs sem nem fazer muito esforço. Mas será que o emocional de Mira, tão turbulento como uma tempestade, está pronto para matar as irmãs ou o Templo deverá tomar suas providencias?

As Rainhas correm contra o tempo, o destino da Ilha está nas mão delas. Apenas uma poderá ficar viva. Duas devem morrer.

– Você tem escolhas. Você tem todas as escolhas do mundo.

Três Coroas Negras é um dos lançamentos da Globo Alt desse ano, e de longe uma fantasia incrível! Magia, ação, tramas politicas… tudo que pode fazer de um livro um grande sucesso. A escrita da Kendare  Blake já nossa conhecida por “Ana Vestida de Sangue” segue com a mesma fluidez e simplicidade, permitindo ao leitor cair de cabeça na história.

– Quero vingança – sussurra ela, seus dedos traçam listras sangrentas pelos braços de Natalia.

– E depois quero a minha Coroa.

Não sei se por eu estar muito ansioso pela próxima temporada de #GOT, mas em diversos momentos senti referencias e situações politicas/religiosas que poderiam muito bem ter sido escritas pelo Martin sem deixar a desejar em nada. O segundo livro “One Dark Throne” ainda não tem previsão de lançamento divulgada pela Globo Alt.

Recentemente a Verus Editora, anunciou que eles compraram os direitos da continuação de “Ana Vestida de Sangue”, “Girl of Nightmares”. Enquanto isso, o filme de Ana Vestida de Sangue segue em produção.

Um Cheiro e até a próxima!

[Resenha] Fique Onde Está e Então Corra

fique_onde_esta_e_entao_corra_1397490343bLivro: Fique Onde Está e Então Corra

Autor: John Boyne

Ano: 2014

Editora: Seguinte

Páginas: 222

Sinopse: Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai.

Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados — enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam perdidos, estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar.

Seu pai logo se alistou para o combate, e depois de quatro longos anos Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa.

 

É triste que algo tão horrível já tenha acontecido na história do mundo, como a primeira guerra mundial, mas é uma tristeza bela que os humanos capazes de tanta destruição podem fazer arte.

Alfie é uma criança de cinco anos quando o seu pai, George, vai para a guerra. Anos se passam sem que ele volte, vivo ou morto, e a mãe de Alfie sempre diz para ele que o seu pai está em uma missão secreta para o governo. Mas Alfie não é bobo, ele sabe que algo mais está acontecendo, então resolve embarcar na sua própria missão secreta. Ele salvará o seu pai.

Essa é uma história sobre personagens, que é o tipo de livro que mais amo. Mesmo que tenha uma aventura interessante como plano de fundo, tem algo ainda mais profundo no crescimento do Alfie e da forma inocente como ele enxerga o mundo decadente de Londres na primeira guerra.

Cada pessoa na estória tem a sua função, mas todos cumprem os seus deveres na narrativa de uma forma completamente natural. Apesar de ser o meu primeiro livro do Boyne, já ficou claro pra mim que ele é um autor bastante talentoso, arquitetando os personagens na trama de forma impecável. De uma forma real.

No fim, não cheguei a chorar (tanto, tá bom, fiquei com o olho marejado) como imagino que irei chorar quando ler The Boy in the Striped Pajamas (O Menino do Pijama Listrado, o livro de maior sucesso do autor, uma das minhas próximas leituras), mas é tudo tão encaixadinho que terminei de ler com aquela sensação de assistir um filminho enrolado em edredons em um dia muito chuvoso e friozinho enquanto como pipoca e tomo um café quentinho: a mais pura satisfação.

Como escrevi anteriormente: Alfie enxerga o mundo com muita inocência, o que acaba rendendo uma escrita leve e bem dinâmica. O tema é pesado, e até pode ser um gatilho para pessoas (com parentes que) vivenciaram uma guerra ou tragédia semelhante, mas é sem dúvidas um livro incrível, para crianças, adultos e seres humanos no geral.

Abraços.

[Resenha] Volúpia de Veludo

Livro: Volúpia de Veludo
Autora: Loretta Chase
Ano: 2017
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Sinopse: Simon Fairfax, o fatalmente charmoso marquês de Lisburne,acaba 
de retornar relutantemente a Londres para cumprir uma obrigação familiar.
Ainda assim, ele arranja tempo para seduzir Leonie Noirot, sócia da Maison Noirot.
Só que, para a modista, o refinado ateliê vem sempre em primeiro lugar, 
e ela está mais preocupada com a missão de transformar a deselegante prima 
do marquês em um lindo cisne do que com assuntos românticos.
Simon, porém, está tão obcecado em conquistá-la que não é capaz de apreciar 
a inteligência da moça, que tem um talento incrível para inventar curvas – e lucros. 
Ela resolve então ensinar-lhe uma lição propondo uma aposta que vai mudar 
a atitude dele de uma vez por todas. Ou será que a maior mudança da 
temporada acabará acontecendo dentro de Leonie? 

 Muito amor aveludado por esse livro!

Loretta dessa vez incluiu brilhantemente os arranjos filantrópicos de outrora e as condições em que a alta sociedade pouco se importava com muita coisa além da superficialidade, ao mesmo tempo que detinham o poder de destruir reputações e consequentemente, pessoas. Leonie não tinha destaque nos livros de suas irmãs e sua mente analítica levava a crer que seria uma leitura insonsa, nada como estar muito errada e de combo dar boas risadas com o constante conflito de interesses da modista e do marquês.

Leonie é a mais nova das temidas irmãs Noirot – pra referência de distinção, é a ruiva -, com um dom de lidar com números e planejamentos, a jovem modista possui agora a missão de levar a frente a Maison Noirot sem o apoio costumeiro de Marcelline – temporariamente debilitada – e Sophie – em viagem de lua de mel e afastada de Londres devido a sua última grande interpretação.

– Não posso acreditar que esteja bancando o inocente ferido. Fui eu que me joguei em cima do senhor, milorde?
– Não, e foi muita falta de consideração de sua parte não tê-lo feito, quando me empenhei tanto para me tornar atraente aos seus olhos. Por que deveria sempre ser eu a dar o primeiro passo? Por que a senhorita não pode se esforçar um pouco mais?

Com uma personalidade decidida e menos sonhadora que suas irmãs, ela decide priorizar e manter a todo custo a Maison Noirot e a Sociedade das Costureiras para Educação de Mulheres Desafortunadas, logo cada boato e escândalo é vital na imagem de ambos, uma associação com Lorde Swaton, o poeta – e primo de Lisburne se torna perigosa e cabe a jovem Noirot planejar uma volta por cima, com a ajuda por vezes perturbadora e enlouquecedora do irresistível marquês.

Simon Fairfax, o sobrenome é familiar certo? Ele é primo de Harry Fairfax, o conde de Longmore e cunhado de Leonie, Simon, além de marquês de Lisburne, conta com um incrível senso de humor e uma sabedoria admirável de seu próprio charme, afinal se sentir confortável na própria na pele é um direito de nascença dos aristocratas, porém usar isso de forma velada é um dom desse exemplar masculino com uma cobertura generosa de beleza e sorrisos sedutores.

– Não é de bom-tom querer me seduzir quando estou ocupada em tentar não nos matar – reagiu ela.
– Eu a estou seduzindo? Não percebi que já chegara a essa parte. Devo ser incrivelmente inteligente. Mas preste atenção. Estamos chegando a Cumberland Gate.

Em paralelo ao jogo de sedução e conquista de Leonie e Simon, o resultado de uma perigosa aposta, valendo nada menos do que um Botticelli, envolvendo a protegida de Leonie, que por sua vez cativa a atenção do jovem poeta, que se vê cativado pela voz firme e canora de Lady Gladys Fairfax, um romance improvável está borbulhando nas duas polêmicas figuras da alta sociedade inglesa, esta afirmação é plenamente aplicável a ambas as duplas.

(…) Ela o viu corar enquanto falava. Algo do tipo “me daria a honra”. Lady Gladys também estava corada, o rosa- escuro descendo por seu colo, exibido elegantemente e sem pudor.
A orquestra voltou a tocar.
E lorde Swanton a conduziu até a pista de dança.

A deliciosa impressão que o livro deixa, é de um romance em que os dois competem sedução e se completam em paixão. Enquanto um outro casal está em um desencontro, apaixonados, porém temerosos e o resultado desses pares são suspiros e muitos leques agitados, em união a um visual lindo e muito bem acabado da Arqueiro, que consegue me conquistar cada vez mais com a qualidade do livro e dedicação editorial.


ARQUEIRO PODERIA LANÇAR ROMANCE ENTRE RENDAS EM AGOSTO, PELO AMOR DE JANE AUSTEN!