[Resenha] Outros Jeitos de Usar A Boca

downloadLivro: Outros Jeitos de Usar A Boca

Autor (a): Rupi Kaur

Editora: Planeta do Brasil

Ano: 2014

Páginas: 208

Sinopse: Maior fenômeno de poesia dos EUA na última década, há mais de 40 semanas no topo das listas de best-sellers. “Outros jeitos de usar a boca” é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

Eu tinha todo um plano preparado para essa semana. Sabia sobre qual livro ia falar, já tinha pronta a resenha, mas meus planos foram, repentinamente, mudados e a responsável é Rupi Kaur.

Bom migos, hoje eu não trago um livro com uma narrativa, como estamos acostumados, trago um livro de poemas, e que poemas. A partir de agora vou mostrar um pouco do agoniante, porém necessário e maravilhoso, “Outros Jeitos de Usar A Boca”.

O livro tem como autora Rupi Kaur, indiana que imigrou com os pais para o Canadá ainda criança. Além dos poemas, Rupi assina as ilustrações da obra (capa do post). Ele traz diversos poemas divididos em quatro partes, que tem um poder extremamente forte sobre o leitor, principalmente a mulher. Aborda, dentre outros assuntos, o machismo, o abuson e mostra como o feminismo, a sororidade são ações/sentimentos/lutas que devem ser praticados cotidianamente. Um detalhe para os poemas, que não seguem um modelo clássico de forma, podem ser uma frase, dois versos, ou que ocupem duas páginas.

Sua primeira parte tem como título “A Dor” e traz como é visto, muitas vezes desde a infância, a violência contra mulher, seja sexual ou psicológica (particularmente a mais forte das partes). A autora tem um poder, como eu disse antes, de transportar seu leitor para o poema. Você vive a dor da menina que vê o pai como um opressor, não permitindo que a mãe fale na mesa de jantar. Você vive a dor.

você tem dores
morando em lugares
em que dores não deveriam morar

A segunda intitula-se “Amor” e traz uma atmosfera feroz e desejosa sobre todos os anceios do corpo. Mostra a vontade, o desejo, o prazer que se espera ter quando se ouve a palavra amor. Palavra que pode resumir tudo e, ao mesmo tempo, não dar sentido a nada. Esse mesmo amor que é mostrado pela mãe, que muitos dizem ser a uma das formas mais puras de amor. E o amor entre dois amantes que, quando é verdadeiro (e recíproco), se torna uma das mais prazerosas formas de viver esse sentimento.

você pode não ter sido meu primeiro amor
mas foi o amor que tornou
todos os outros amores
irrelevantes.

A terceira chama-se “A Ruptura” que, com um tom mais sério e agressivo, traz os momentos conturbados em uma relação de casal, por exemplo, na qual somente uma das partes se doa por completo. A maneira como a autora descreve momentos íntimos de casal deixa claro para o leitor que isso vai além das páginas do livro. É uma coisa real, é cotidiano. Todos, pelo menos um vez, já vivemos momentos dispostos em “A Ruptura”.

eu não fui embora porque
eu deixei de te amar
eu fui embora porque quanto mais
eu ficava menos
eu me amava

E não é só Gaga que tem “A Cura”, Rupi Kaur também tem e é esse o título da sua última parte do livro. Nela, a autora, reforça a auto estima tanto dela própria quanto da sua leitora, que precisa disso, depois de ser, por tanto tempo, usada e diminuída. “Você só pertence a você.” Acho que essa frase, que é um título de um dos poemas, resume bem o que é “A Cura”, de Rupi Kaur.

faz parte da
experiência humana sentir dor
não tenha medo
abra-se
– evoluindo

Um ponto a ser ressaltado: quando lemos, de primeira, podemos pensar na relação abusiva homem X mulher, porém esses poemas se aplicam a diversas situações e relações as quais estamos suscetíveis. Muitas vezes, me vi em uma relação de amizade tóxica, que me fez mal e eu não percebia.
Então migos, vamos aprender com a titia Rupi: você só deve satisfações a você mesmo. Se você não quiser depilar as pernas é uma opção sua, afinal de quem são as pernas mesmo!?

No fim, temos uma carta direcionada ao leitor, na qual Rupi é capaz de se materializar na sua frente, te dar um abraço e oferecer o colo dela pra você deitar e colocar para fora suas emoções porque você vai precisar. Espero, do fundo mesmo do meu coração,  que vocês gostem desse livro, tanto quanto eu gostei.

Ah e é de Rupi Kaur aquela foto viral, da garota deitada na cama de costas e menstruada. Vocês já devem ter visto e visto também a quantidade de comentários nojentos de caras que se acham os machões, mas não tem maturidade pra lidar com algo natural como a namorada menstruar ou não depilar as pernas.

Até semana que vem,

Nath.

Anúncios

[AlêNews]  Psicóloga Beatriz Cortes conta uma história emocionante de romance e fala sobre a dor da perda em sua obra “Por uma questão de amor”

“Sabia o quanto nosso amor era proibido. O passado nos havia pregado uma peça e tanto. Fomos destinados a sofrer por este amor. Um sofrimento que, na verdade, nem era nosso.” (p.197) – Beatriz Cortes

Após presenciar a morte de seu irmão mais velho em um trágico acidente, Lorena vive um luto que parece não ter fim. Seu sofrimento só é mais suportável por conta da ajuda de seu melhor amigo, Daniel.

Depois de passar na Faculdade de Medicina na UFRJ, ela encontra uma forma de sair de Angra dos Reis e encara a oportunidade de deixar seu passado para trás de uma vez por todas.

Na cidade maravilhosa, Lorena se apaixona perdidamente e esse amor proibido tem capacidade para transformar sua vida. Porém, ela descobrirá que também existem consequências para quem escolhe amar.

Por uma questão de amor também demonstra ao leitor que o amor pode tornar as pessoas melhores, além de encorajar a enxergar o lado bom das coisas, mesmo em meio as dificuldades da vida, ajudando a conter o medo de seguir em frente e incentivar com que continuemos de pé.

Cantada pela própria autora, o livro também apresenta uma música tema feita especialmente para a obra. Cheio de aventura, suspense e romance, Por uma questão de amor leva o leitor a lugares inimagináveis para mostrar do que o amor verdadeiro é capaz.

Além disso, no fim da obra, a autora reserva uma surpresa para os leitores de seu primeiro livro O Outro lado da memória, só lendo para descobrir!

“Enredo apaixonante, desenrolar ágil, personagens fofos e inesquecíveis. Uma Leitura paara ninguém botar defeito. Simplesmente ma-ra-vi-lho-so!” – Danielle Nhasser – Autora dos livros Amor, és real e Avisada em sonho

SOBRE O AUTORA:

Beatriz Cortes é uma autora jovem pronta para transformar suas ideias e sentimentos em páginas de livros. Psicóloga, com 23 anos e nascida no interior do Rio de Janeiro, em meio a grande variedade de livros disponíveis no mercado, Beatriz Cortes faz parte de uma geração que se orgulha de poder contribuir para o crescimento e fortalecimento da literatura nacional. Leitora assídua desde a infância, a jovem é a autora de três livros publicados pela Novo Século Editora em seu selo principal, O outro lado da memória, Por uma questão de amor e Aonde quer que eu vá, romances que são capazes de emocionar leitores de todas as idades. Em Meu doce azar, a autora se desafia em um novo estilo, prometendo discutir com bom humor o importante papel da mulher na sociedade.

[AlêNews] WARNER BROS. PICTURES DIVULGA PÔSTER DO FILME OS JOVENS TITÃS EM AÇÃO! NOS CINEMAS

A primeira versão cinematográfica da série de TV da DC Entertainment “Os Jovens Titãs em Ação!” intitulada Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas ganha primeiro pôster (em anexo). Na imagem, a turma de super-heróis formada por Mutano, Ciborgue, Estelar, Ravena e Robin é apresentada com suas cadeiras de astros do cinema.

Sobre o filme:

Quando os Jovens Titãs chegam ao cinema, eles chegam com tudo! Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas é o primeiro longa-metragem dos nossos Super-Heróis egocêntricos e cômicos – uma sátira do gênero de super-heróis original, inteligente, atrevida e apropriada para crianças, com direito a números musicais.

Os Jovens percebem que os principais super-heróis que existem por aí estão estrelando seus próprios filmes – quer dizer, todos, exceto os Jovens Titãs! Porém, o líder de fato do grupo, Robin, está determinado a resolver a situação e ser visto como um astro, ao invés de um fiel escudeiro. Se ao menos eles conseguissem fazer com que o mais badalado diretor de Hollywood os notasse… Com algumas ideias malucas e uma música no coração, os Jovens Titãs partem para Tinsel Town, determinados a realizar seu sonho. Contudo, tudo dá errado quando o grupo é enganado por um supervilão e seu plano insano para conquistar o planeta. A amizade e o espírito guerreiro da equipe são abalados, colocando em risco o destino dos próprios Jovens Titãs!

A animação será dublada no Brasil pelos mesmos intérpretes do desenho animado, que reprisarão os papéis no longa-metragem: Charles Emanuel como Mutano, Eduardo Borgherti como Ciborgue, Luiza Palomanes como Estelar, Mariana Torres como Ravena e Manolo Rey como Robin. A direção de dublagem é de Marco Ribeiro.

Will Arnett (“LEGO Batman: O Filme”) e Kristen Bell (“Frozen – Uma Aventura Congelante”) emprestam suas vozes à versão original da primeira empreitada para o cinema da animação da DC Entertainment e do Cartoon Network, que também é estrelada por Greg Cipes (série de TV “As Tartarugas Ninja”) como Mutano; Scott Menville (série de TV “Homem-Aranha”) como Robin; Khary Payton (“The Walking Dead”) como Ciborgue, Tara Strong (franquia “My Little Pony”) como Ravena; e Hynden Walch (série de TV “Hora de Aventura”) como Estelar, reprisando seus papéis das séries.

O filme está sendo dirigido por Aaron Horvath e Peter Rida Michail, a partir de um roteiro de Michael Jelenic e Horvath, baseado nos personagens da DC. Michail, Will Arnett e Peggy Regan estão produzindo o filme, com produção executiva de Sam Register, Jelenic e Horvath. Exceto por Arnett, todos são colaboradores da série “Os Jovens Titãs em Ação”.

Com lançamento marcado para 26 de julho, Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas será distribuído mundialmente pela Warner Bros. Pictures, uma empresa da Warner Bros. Entertainment.

[AlêNews] Márcia Tiburi lança “Feminismo em comum” em Salvador, com participação de Camila Pitanga e Olívia Santana

Na próxima segunda-feira, 29 de Janeiro, a autora Márcia Tiburi, passa por Salvador com a turnê de lançamento do seu livro “Feminismo em Comum”.

Sinopse: Primeiro livro feminista escrito pela filósofa Marcia Tiburi, autora do sucesso Como conversar com um fascista Podemos definir o feminismo como o desejo por democracia radical voltada à luta por direitos de todas, todes e todos que padecem sob injustiças sistematicamente armadas pelo patriarcado. Nesse processo de subjugação, incluem-se todos os seres cujo corpo é medido por seu valor de uso – corpos para o trabalho, a procriação, o cuidado e a manutenção da vida e a produção do prazer alheio –, que também compõem a ampla esfera do trabalho na qual está em jogo o que se faz para o outro por necessidade de sobrevivência. O que chamamos de patriarcado é um sistema profundamente enraizado na cultura e nas instituições, o qual o feminismo busca desconstruir. Ele tem por estrutura a crença em uma verdade absoluta, que sustenta a ideia de haver uma identidade natural, dois sexos considerados normais, a diferença entre os gêneros, a superioridade masculina, a inferioridade das mulheres e outros pensamentos que soam bem limitados, mas ainda são seguidos por muitos. Com este livro, Marcia Tiburi nos convida a repensar essas estruturas e a levar o feminismo muito a sério, para além de modismos e discursos prontos. Espera-se que, ao criticar e repensar o movimento, com linguagem acessível tanto a iniciantes quanto aos mais entendidos do assunto, Feminismo em comum seja capaz de melhorar nosso modo de ver e de inventar a vida. “O feminismo nos leva à luta por direitos de todas, todes e todos. Todas porque quem leva essa luta adiante são as mulheres. Todes porque o feminismo liberou as pessoas de se identificarem como mulheres ou homens e abriu espaço para outras expressões de gênero – e de sexualidade – e isso veio interferir no todo da vida. Todos porque luta por certa ideia de humanidade e, por isso mesmo, considera que aquelas pessoas definidas como homens também devem ser incluídas em um processo realmente democrático.” – do capítulo “Para pensar o feminismo”.

O evento conta com um bate-papo com a atriz Camila Pitanga e Olívia Santana, ex vice prefeita de Salvador.

O evento acontece às 18h do 29/01, no UCI Orient Shopping da Bahia, em parceria com a Livraria Saraiva. Mais informações, clique aqui.

[AlêNews] “O INSULTO” É O PRIMEIRO FILME LIBANÊS INDICADO AO OSCAR DE FILME ESTRANGEIRO, GANHA DATA DE ESTRÉIA NO BRASIL

“O Insulto” conquistou seu lugar na competição do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, sendo o primeiro longa libanês na história da premiação na categoria. Além da academia, o filme ganhou Audience Award da American Film Institute e, pela excelente atuação, o ator Kamel El Basha conquistou o prêmio de Melhor Ator no Festival de Veneza.

Sinopse:

Em Beirute, um insulto explosivo leva Toni, um cristão libanês, e Yasser, um refugiado palestino, para o tribunal. De feridas secretas a revelações traumáticas, o circo midiático que envolve o caso divide o Líbano em uma crise social, forçando Toni e Yasser a reconsiderarem suas vidas e preconceitos.
 

https://youtu.be/iOO3-bjyyx4

Há muita raiva na natureza humana e ela pode se alastrar rapidamente como uma epidemia, tomando proporções imensas. É isso que Ziad Doureiri apresenta em seu novo longa que relata a história de Toni, um cristão libanês, que sempre rega as plantas de sua varanda, e um dia, acidentalmente, acaba molhando Yasser, um refugiado palestino. E assim começa um caso de julgamento que toma uma dimensão nacional.       

Segundo o diretor, a inspiração para a criação do roteiro do filme foi uma situação real que aconteceu com o próprio Ziad Doureiri. Em uma discussão com um encanador, o diretor de “O Insulto” usou as mesmas palavras do filme para ofender o trabalhador. Doureiri disse que “o incidente pode ter sido trivial, mas o sentimento no subconsciente não. Quando você diz essas palavras, é porque sentimentos e emoções muito pessoais foram impactadas.” O diretor pediu desculpas ao encanador e quando soube que o homem foi demitido por esta razão, logo entrou em defesa dele. Assim, Ziad Doureiri e Joëlle Touma, co-autora e testemunha ocular da história do diretor, escreveram o roteiro do filme baseado no relato.

“O Insulto” correu o risco de não estar entre os indicados ao prêmio da Academia de Cinema por conta das cenas filmadas em Israel, o que ainda é crime no Líbano, mas graças ao apoio público o filme pode continuar.

Fonte: Espaço Z MKT

[FILMES] A FORMA DA ÁGUA

4

Direção: Guillermo del Toro
Ano de Lançamento: 1 de fevereiro de 2018
Elenco: Sally Hawkins, Doug Jones, Michael Shannon, Octavia Spencer, Michael Stuhlbarg
Gênero: Fantasia/Thriller
Duração: 2h 3m
Sinopse: Elisa é uma zeladora muda que trabalha em um laboratório onde um homem anfíbio está sendo mantido em cativeiro. Quando Elisa se apaixona pela criatura, ela elabora um plano para ajudá-lo a escapar com a ajuda de seu vizinho.

Algo estranho está acontecendo em um laboratório do governo dos EUA em 1962 – algo que apenas as pessoas com os mais altos cargos devem saber. Mas mesmo durante a Guerra Fria, vazamentos são inevitáveis, e as pessoas mais estranhas podem se familiarizar com os segredos mais espantosos.

Tal pessoa é Elisa Esposito (Sally Hawkins), uma zeladora que trabalha no laboratório e gradualmente se torna consciente de um experimento que está sendo conduzido. Silenciosa e despretensiosa, ela é praticamente invisível enquanto ela faz suas tarefas. E isso lhe permite descobrir coisas que poderiam levá-la a sérios problemas.

2

De certa forma, Elisa é uma detetive. E ela obtém uma pista importante que envolve a marionete do governo Richard Strickland (Michael Shannon) e o sangue derramando no chão do laboratório. Isso, é claro, apenas mostra sua curiosidade – e leva-a a fazer uma descoberta que mudará para sempre sua vida, mas também exigirá que ela corra um enorme risco.

Nem seu melhor amigo, Giles (Richard Jenkins), nem sua colega de trabalho Zelda (Octavia Spencer) sabem exatamente informar Elisa sobre como proceder. Mas dificilmente podem ser culpados. Elisa está apaixonada por uma criatura do mar. E quando se trata de assuntos do coração, simplesmente não existe um livro de regras.

3

Ricamente imaginativo e assustadoramente inesquecível, “A Forma da Água” é o último filme do diretor Guillermo del Toro (“O Labirinto do Fauno”). Também pode ser o seu maior sucesso. Trabalhando a partir de um roteiro co-escrito com Vanessa Taylor, Del Toro entregou um filme que é ao mesmo tempo excêntrico e intrigantemente convencional – um conto de fadas que, embora estabelecido no passado, ressoa em nossos tempos turbulentos.

Sally Hawkins está merecidamente concorrendo ao Oscar por sua performance extraordinária. Seu rosto expressivo nos conecta com o caos e a maravilha girando em torno de Elisa. E em um excelente elenco de apoio, Jenkins é um especialista, como um homem que encontra em si mesmo a coragem de fazer o que é certo.

Confira o trailer do filme logo abaixo:

[AlêNews] Tom Cruise revela título do sexto filme da franquia de Missão Impossível

Uma das franquias mais queridas e rentáveis do cinema anuncia a estreia do seu sexto longa em julho deste ano e acaba de ter o seu título MISSÃO:IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT(MISSION:IMPOSSIBLE – FALLOUT) revelado pelo protagonista e produtor Tom Cruise. O ator publicou a informação hoje em seu o perfil@tomcruise recém-criado no Instagram.

As melhores intenções muitas vezes voltam para assombrá-lo. Em MISSÃO:IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT, Ethan Hunt (Tom Cruise) e sua equipe do IMF (Alec Baldwin, Simon Pegg, Ving Rhames), na companhia de aliados conhecidos (Rebecca Ferguson, Michelle Monaghan), estão em uma corrida contra o tempo depois que uma missão dá errado. Henry Cavill, Angela Basset e Vanessa Kirby são as novidades do elenco, com Christopher McQuarrie de volta à direção.

Elenco:

Tom Cruise, Henry Cavill, Simon Pegg, Rebecca Ferguson, Ving Rhames, Sean Harris, Angela Bassett, Vanessa Kirby, Michelle Monaghan, Alec Baldwin, Wes Bentley, Frederick Schmidt.

Direção: Christopher McQuarrie

Distribuição: Paramount Pictures

Estreia no Brasil: 26 de Julho/2018

Fonte: Espaço Z MKT