[FILMES] MULHERES ALTERADAS

2Direção: Luis Pinheiro
Data de Lançamento: 21 de Junho de 2018
Elenco: Débora Secco, Alessandra Negrini, Maria Casadevall, Mônica Iozzi, Sérgio Guizé
Gênero: Comédia Romântica
Duração: 1h 35 minutos
Sinopse: Quatro mulheres enfrentam problemas bem particulares. O casamento de Keka com Dudu está em crise. Marinati é uma workaholic que se apaixona por Christian. Leandra sente-se insegura pelo fato de ainda não ter constituído família. Sônia está cansada da rotina doméstica e sonha com a época em que era solteira.

Baseado em uma trilogia de livros da escritora e cartonista argentina Maitena, o filme homônimo Mulheres Alteradas estreou na última quinta para retratar com um tanto de comédia a vida de quatro mulheres com personalidades e vidas diferentes mas que estão passando por problemas ao mesmo tempo.

Marinati, Alessandra Negrini, é viciada em trabalho e está no auge de sua carreira como advogada após pegar um caso de grande visibilidade que dará ainda mais conforto para sua vida. Levando seus funcionários a loucura trabalhando neste caso, tudo estava caoticamente bem até que ela conhece o sedutor Christian e sua vida desmorona, pois tudo o que ela consegue pensar é em ficar com ele.

Keka, interpretada por Débora Secco, é assistente de Marinati e está passando por uma crise no seu casamento com o mala do seu marido, Sérgio Guizé, e acredita que ir em viagem com ele mudará o rumo do seu casamento o os fará se reconectar novamente. mas não é muito bem isso que acontece.

Sônia, interpretada por Mônica Iozzi e sua irmã Leandra, Maria Casadevall, estão ambas tentando superar o tédio e o caos que suas vidas se encontram: enquanto uma está cansada da vida de doméstica e de não ter tempo para nada, apenas cuidar de seus filhos, a outra está cansada da rotina regada a festas e bebidas e acha que já está na hora de constituir uma família, o problema é que ela não leva jeito nenhum para isso.

3

O filme mostra essas quatro mulheres passando por perrengues enquanto tentam dar um rumo diferente às suas vidas, Marinati tenta focar no trabalho mas sempre acaba indo parar na cama com Christian. Keka não sabe mais o que fazer para manter o seu casamento em pé. Sônia e Leandra trocam uma noite para cada uma sentir o que é ficar no pé da outra, e enquanto uma tem a noite de sua vida, a outra tem a pior e mais cansativa.

Mulheres Alteradas é um filme que representa com uma dose de comédia a vida de milhares de brasileiras que com certeza se identificarão ao assistir o filme. Com um texto divertido,  Luis Pinheiro tenta trazer para o mais perto a realidade de nossas mulheres, mas ainda assim deixa uma gama bem grande delas do lado de fora. Talvez pela mania de a maioria de filmes brasileiros só tratarem de retratar a vida de mulheres brancas de classe média/alta em seus filmes, esquecendo das mulheres negras onde muitas delas passam por todos esses problemas individuais que as protagonistas desses filmes passam.

267731,930,80

E falando nelas, mulheres negras, é outro grande problema desse filme. Não há representação dessa grande camada da nossa sociedade nele, o que reflete em um problema maior que o nosso cinema nacional insiste em mostrar (ou não mostrar): a continuidade de filmes que só mostram mulheres negras e pobres em filmes com uma carga pesada emocional, ou simplesmente não mostram o cotidiano dessas mulheres.

Que o cinema nacional é branco padrão nós já sabemos, mas assistir esses filmes repetidos atrás de outro trás um certo cansaço e sentimento de que estamos sendo lesados com essa parte importante da sociedade sendo esquecida.

Mulheres Alteradas estreou na última quinta feira em todos as salas de cinema do Brasil.

Confira o trailer do filme logo abaixo:

 

 

Anúncios

[Resenha] Mais forte que o sol

Livro: Mais Forte que o Sol (Irmãs Lyndon #2)
Autora
: Julia Quinn
Tradução: Viviane Diniz
Ano: 2018
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Sinopse: Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.
Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.
Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.
No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal…

Esse deve ser o romance de época mais hilário desse ano

O que acontece quando um homem adulto despenca de uma árvore quase em cima de você? Eleanor Lyndon pode responder essa, porque é quando o audaz conde de Billington, Charles, despenca quase em sua cabeça – não em seu colo, devo ratificar – que uma série de acontecimentos tornam a presença inesperada desse estranho e charmoso homem em sua vida, bastante oportuna, até mesmo a proposta precipitada de casamento que ela recebe desse estranho, lhe soa como algo familiar, uma negociação. Ainda solteira, Ellie mora com seu pai, também vigário local, um homem difícil e de opiniões rígidas, só que o pior está por vir:  o Sr. Lyndon está para casar, seria ótimo para Ellie ter uma madrasta após perder sua mãe e o recente casamento de sua irmã Victoria.

Entretanto esse enlace de seu pai é a prévia de um pesadelo, além da mulher ser uma nata fofoqueira, a megera Sra. Floxglove acredita que deve a todo custo impor uma hierarquia numa casa que sequer é sua ainda – apesar de estar sempre como uma assombração nela -, prometendo criar uma atmosfera insuportável para a jovem Lyndon. Casamento não é o que Ellie esperava para ter sua independência, mesmo sendo administradora das suas finanças, sem o nome de um homem atrelado a si, ela pouco pode fazer além de esconder suas intenções e interesses próprios.

– Está dizendo que provei minha inteligência superior pela minha capacidade de resistir aos seus encantos? – Ellie começou a rir. – Que maravilha. A única mulher inteligente o suficiente para ser sua condessa é aquela que enxerga seu caráter leviano.
– Algo assim – murmurou Charles, detestando a maneira como ela distorcera suas palavras, mas sem conseguir descobrir uma forma de distorcê-las de volta a seu favor.

Ellie Lydon é – quase – totalmente dona de si, mesmo com as limitações de ser mulher em pleno século XIX, ela sabiamente usa subterfúgios pra expandir suas próprias condições, sejam intelectuais ou financeiras, a mulher é uma administradora nata, usando sua sagacidade e perspicácia pra investir em ações e preparar um futuro pra si. Delimitada e subestimada, ela decide dar um basta na sua condição de submissão às vontades alheias e propõe ao conde Billington uma negociação com os termos claros para que ambos possam ter vantagens no enlace matrimonial, se ela mantiver tanto a posse, quanto o livre arbítrio na gestão de seus bens, o conde continua com sua fortuna e ela, com sua independência e sua inteligência  reconhecida, ela só não contava que sua falta óbvia de experiência com casamentos e o magnetismo de Charles se tornasse uma equação que ela não consegue compreender.

– Se está tentando me seduzir, não vai funcionar – disse ela francamente.
Ele abriu um sorriso charmoso e malicioso.
– Não estou tentando seduzi-la, querida Eleanor. Nunca empreenderia uma tarefa tão colossal. Afinal, você é nobre; você é reta; você é constituída de material sólido.
Colocado dessa forma, Ellie pensou que ela mais parecia um tronco de árvore.
– E o que isso significa? – grunhiu ela.
– Ora, é simples, Ellie. Acho que você deveria me seduzir!

Charles Wycombe é a síntese de confusão, belo, charmoso, cheio de lábia e um libertino convicto – entretanto como já citado pela sábia Lady Whistledown, libertinos regenerados tendem a ser os melhores maridos -, todavia esse libertino em questão almeja a tal troca de votos matrimoniais, toda a sua fortuna depende disso e um conde pobre é o mesmo que uma meia furada, ou seja, um mau negócio. Com seu tempo esgotando ele acredita ter pousado na sua solução – ou quase esmagado ela, depende do ponto de vista -, a impetuosa mulher que lhe tratou firmemente e não mantém a língua ferina sob controle é um deleite, seus sentidos ficam entusiasmados por desfrutar da companhia de uma personalidade tão irritantemente ardente, assim como ele, ela não cede facilmente e os conflitos entre ambos são de matar ou dar risada, as vezes, um pouco dos dois.

– Sim, sim, é claro – respondeu Judith. – Bom dia para você, Charles, mas terá que sair.
Ellie abafou uma risada.
– E por quê? – perguntou ele.
– Tenho assuntos extremamente importantes para tratar com Ellie. Assuntos particulares.
– É mesmo?
Judith ergueu as sobrancelhas com uma expressão altiva que, de alguma forma, adequava-se de modo perfeito aos seus 6 anos.
– Sim. Mas pode ficar enquanto dou o presente de Ellie.
– Que generoso de sua parte – declarou Charles.

A trama orna tão bem com a forma de construção do enredo que aquela visão temerosa por se tratar de um casamento de conveniência é simplesmente esquecida, afinal o temperamento e esperteza de ambos torna uma situação que poderia ser entristecedora, uma negociação bem humorada. Com o fator de os personagens secundários deixarem marcas consideráveis no desenvolvimento dos protagonistas, um grande destaque vai para Judith, uma garota de 6 anos, tão certa dos seus desejos que acabo nutrindo um anseio por acompanhar também o crescimento dela – poderia facilmente ter o próprio livro, é o que sugiro Quinn -, sendo impossível ignorar uma personalidade tão intensa em um corpinho tão pequeno.

Some isso a construção de caráter dos personagens e as farpas que eles trocam que são deliciosamente intrigantes, cada um exibe características que os tornam mais humanos e a sensitividade do leitor quanto a isso acontece de forma natural, Ellie com sua animosidade e ferrenha força de vontade e, Charles que apesar de toda imagem de homem libertino avassalador de corações exibe uma predileção bastante inimaginável por – rufem os tambores – listas, isso mesmo, aquela construção cheia de lógica em geral usada para tarefas diárias.

– Ah, Charles. Fico tão feliz que tenha caído daquela árvore.
Ele sorriu.
– E eu fico feliz que você estivesse ali embaixo. Tenho, sem dúvida, uma mira excelente.
– E grande modéstia também.

A Julia faz uma troca de características que seriam atribuídas ao homem e mulher, tornando o enredo afável e uma fuga ao usual, de maneira brilhante ela atrela a dramatização com um mistério leve, onde para solucionar os dramas dos personagens, ele retornam ao passado, costurando causa e consequência, com a sagacidade marcante de justificar o título do livro e marcar a presença dele de maneira interpretativa do sol tanto na personalidade dos personagens, quanto no cabelo ruivo de Ellie, um verdadeiro banquete literário, vestido com uma capa excepcional e calorosamente linda.


A pior missão de escrever essa resenha:  escolher os trechos favoritos,
dava para colocar o livro absolutamente todo!

[Resenha] Pós-Verdade

Livro: Pós- Verdade

Autor: Matthew D’Ancona

Editora: Faro Editorial

Ano: 2018

Páginas: 142

Sinopse: O QUE ACONTECE DE NOVO AGORA NÃO É A DESONESTIDADE DOS POLÍTICOS, MAS A RESPOSTA DO PÚBLICO EM RELAÇÃO A ISSO.

Bem-vindos à era da pós-verdade: uma época em que a arte da mentira está abalando as próprias fundações da democracia e do mundo como o conhecemos.

Neste livro surpreendente e revelador, a pós-verdade é diferenciada de uma longa tradição de mentiras políticas, mostrando o poder das novas tecnologias e das mídias sociais de manipularem, polarizarem e enraizarem opiniões.

Como podemos defender a verdade em uma época de mentiras, os chamados fatos alternativos?

Nesta obra, um dos mais respeitados jornalistas políticos britânicos investiga como chegamos até aqui, explica por que a resignação não é uma opção e revela como podemos e devemos nos defender e contra-atacar


A cada dia que passa fica mais difícil de acreditarmos de verdade nas notícias que circulam pela mídia. As famosas “Fake News” tomaram conta da rede, e distorcem e inventam novas verdades a cada segundo.

Agora mesmo por exemplo. Enquanto você está lendo esse artigo confiável, tenho certeza que você deve estar recebendo algum audio no WhatsApp sobre a Intervenção Militar, ou um texto que se você não compartilhar para 79 amigos vai te atrair alguma tragédia absurda.

Principalmente quando falamos de política, as Fake News se espalham aos montes, confundindo a cabeça dos leigos, e até de especialistas. Tomem como exemplo as várias notícias falsas ou de verdades auteradas ao redor do Brexit, da Eleição Trump, e da Prisão do Lula. Essa onda de Marketing Político das Fake News criam dúvidas na cabeça da população de massa, que por preguiça ou por confiar cegamente nos propagadores (“se tá na internet, então é verdade”) compartilha e defende tais notícias distorcidas como verdade absoluta.

Em seu livro “Pós-Verdade”, o jornalista britânico Matthew D’Ancona, discorre com um pensamento brilhante sobre a origem da era da Pós-Verdade e o surgimento da onda da Fake News, dissertando sobre todas as suas causas, consequências, e como combater e lidar com as notícias falsas.

Em um período político conturbado, onde dificilmente sabemos em quem devemos confiar, são obras como a D’Ancona, que vão direto ao ponto e abrem nossos olhos para como desviar e escaparmos de tantas novas “verdades absolutas” e “fatos concretos” que podem vir a fazer a diferença.

Nesse blog estamos muito acostumados a ver nossos parceiros da Faro Editorial, com romances e Thrillers, mas pela primeira vez tive o prazer de ver um conteúdo tão sério e importante, trabalhado com tanto cuidado e carinho, já tão característicos da edita.

“Pós-Verdade” é uma leitura que eu indico para aqueles que querem abrir os olhos e os horizontes. Afinal, não vale a pena confiar cegamente em tudo o que lemos por aí.

[FILMES] DO JEITO QUE ELAS QUEREM

2Direção: Bill Holderman
Data de Lançamento: 14 de Junho de 2018
Elenco: Jane Fonda, Diane Keaton, Mary Steenburgen, Andy Garcia, Candice Bergen, Alicia Silverstone
Gênero: Comédia Romântica
Duração: 1h 44min
Sinopse: Nos arredores da Califórnia, quatro amigas de longa data estão na casa dos 60 anos e decidem ler no clube do livro mensal o romance “Cinquenta Tons de Cinza”. Isso faz com que a vida dessas mulheres bem-sucedidas e inteligentes mude completamente.

 

Quatro mulheres mais velhas, ligadas pela passagem do tempo, encontram-se mensalmente para um clube de leitura, e tudo estava na maior tranquilidade até que uma delas decide escolher Cinquenta Tons de Cinza para ser o livro do mês. Isso soa como algo extremamente clichê e tedioso, mas de alguma forma, o diretor Bill Bookman transformou essa leitura visual em algo prazeroso de se assistir.

As quatro amigas são interpretadas por Diane Keaton (Diane), Jane Fonda (Vivian), Candice Bergen (Sharon) e Mary Steenburgen (Carol), que praticamente são as personagens na vida real. Keaton é a nossa personagem central, Fonda, uma empresária bem sucedida, Bergen, um juiza da alta corte com baixa auto-estima, e Steenburgen, uma ex-ingênua endurecida pelo casamento. Se as partes não foram escritas com os personagens em mente, o elenco é perfeito.

BOOK CLUB

Quando Vivian traz Cinquenta Tons de Cinza para o clube do livro, todas elas se lançam em caminhos diferentes de autodescoberta. Diane agoniza sobre se mudar para ficar mais perto de suas filhas que a acham velha demais para morar sozinha, até que ela conhece um piloto de avião que a faz pensar duas vezes antes de querer se mudar definitivamente. Vivian reacende um romance perdido com Arthur. Sharon tenta ir em encontros pela internet após 18 anos divorciada e Carol tenta reacender seu casamento cada vez mais assexuado com Craig T. Nelson. Não é um remo ou chicote à vista.

Dada a sua premissa que imediatamente o faz pensar antes de assistir , Do Jeito que Elas Querem é um filme extremamente prazeroso e nada do que tenhamos visto nos últimos anos no cinema. Ele é totalmente pacífico, sem nada ruim acontecer, sem nenhum personagem mau caráter, apenas quatro amigas descobrindo os prazeres que a idade do ouro pode revelar para elas, enquanto elas se divertem com os problemas que essas novas descobertas fazem.

 

Confira o trailer do filme logo abaixo:

[FILMES] TALVEZ UMA HISTÓRIA DE AMOR

1

Direção: Rodrigo Bernardo
Data de Lançamento: 14 de Junho de 2018
Elenco: Mateus Solano, Juliana Didone, Nathália Dill, Bianca Comparato, Thaila Ayala, Jacqueline Sato, Marco Luque, Paulo Vilhena
Gênero: Comédia Romântica
Duração: 1h 45m
Sinopse: Ao chegar em casa após mais um dia corriqueiro no trabalho, Virgílio liga a secretária eletrônica e ouve um recado perturbador. É uma mensagem de Clara, comunicando o término do relacionamento dos dois. Virgílio, então, entra em choque e ouve repetidamente a mensagem, buscando algum sentido. O término não é o problema, pois Virgílio, solteiro, não faz a menor ideia de quem seja Clara.

Seguindo uma fórmula americana, com uma ideia boa mas pouca originalidade para desenvolvê-la, talvez uma história de amor nos traz mais um clichê de romance, mas nada que o impeça de ter uma boa e agradável experiência nos cinemas.

Nos trazendo como protagonista o Virgílio (Mateus Solano), um cara obcecado por controle e perfeccionista, o filme retrata o caos que vira a vida dele quando ele recebe uma mensagem na secretária eletrônica (quem usa isso ainda) de uma mulher terminando o relacionamento que eles tinham. O problema é que ele não lembra de ter estado em nenhum relacionamento nos últimos meses, e parte em busca de descobrir quem é essa mulher e qual o motivo dele não conseguir lembrar de nada.

3

Durante essa busca ele entra em contato com algumas ex-namoradas e conhecidas, e descobre que todas elas têm algo em comum: sempre que ele saia da vida delas algo de bom acontecia, e, começando a perceber que talvez a culpa tinha sido dele, ele fica mais e mais obcecado para descobrir o que realmente aconteceu entre eles e com a ajuda de Kate (Bianca Comparato), sua vizinha, ele recebe a apoio para ter a coragem que faltava para seguir adiante.

A premissa do filme é boa mas ela é falha em inúmeros momentos. Como por exemplo em porque ele não ter nenhum tipo de recordação dela em lugar nenhum pela casa ou escritório, em porque ele não vasculhar as redes sociais dos amigos próximos a ela já que ela deletou as dela e ele não tem, ou em como as vezes ele conseguia informações que eram para ser sigilosas em uma facilidade que jamais conseguiríamos na vida real.

Contando com um elenco cheio de participações especiais como Nathália Dill, Juliana Didone, Paulo Vilhena e (nome da oriental), Talvez uma História de Amor repete na fórmula de filmes de romance mas ainda assim é uma ótima maneira de se divertir no final de semana.

Confira o trailer do filme logo abaixo:

[Resenha] Pacote Completo

Livro: Pacote Completo

Autora: Lauren Blakely

Editora: Faro Editorial

Ano: 2018

Páginas: 234

Sinopse: Chase levava uma vida tranquila como médico na movimentada Nova York, sucesso entre as mulheres, parecia que não faltava nada… até que descobre que seu contrato de aluguel está para vencer e se vê entre duas opções: morar na rua e dividir apartamento com a deslumbrante irmã do seu melhor amigo. O problema é que conseguir um bom apartamento em Nova York é mais difícil do que encontrar o amor verdadeiro.

E se eu tiver que dividir um espaço com alguém, que seja com uma garota tão maravilhosa como a irmãzinha do meu amigo. Só peço que os céus me ajudem. Eu posso resistir à Josie. Sou disciplinado, e, se me esforçar, consigo manter meus pensamentos sob controle, mesmo no minúsculo apartamento que dividimos. Mas, certa noite, bem atordoada com um dia difícil, ela insistiu para deitar-se ao meu lado, sob as mesmas cobertas. Isso a ajudaria a dormir, foi o que ela disse…

MAS COMO UM HOMEM COMUM PODE RESISTIR A UMA SITUAÇÃO COMO ESSA? O difícil vai ser segurar a tentação diante da tensão sexual que desperta toda vez que os dois dividem bons momentos. Entre conversas, pizzas e risadas, o clima esquenta e Chase percebe que aquela que em pouco tempo já se tornou uma amiga, pode ser algo mais… talvez um pacote completo.


Chase Summers não tem onde morar. Mesmo sendo um médico bonitão e bem sucedido, parece que simplesmente não existem apartamentos disponíveis em Nova York, para o Dr. Gostosão. Durante uma conversa com a sua melhor amiga, a confeiteira Josie Hammer, surge a ideia: Já que eles são amigos a tantos anos, porque não podem morar juntos?

Chase precisa de um lugar para ficar, e Josie precisa de alguém para ajudar a dividir o aluguel, um é a solução para o problema do outro. Isso se não existisse um desejo sexual latente entre os dois.

Caramba, não há no mundo peixinhos de goma suficientes para explicar o quanto eu quero você.

Em “Pacote Completo”, a Lauren Blakely constrói uma história divertida, apaixonante é dar água na boca, tanto nos momentos quentes, quanto nas receitas deliciosas da Josie.

EU AMO histórias sobre melhores amigos que se apaixonam. Sério. Para mim quando a pessoa que você ama, também é o seu melhor amigo, isso torna a relação mais forte e mais resistente. Fora que deixa tudo mais divertido nos livros.

Chase e Josie não o casal mais hot da série “Big Rock”, mas com certeza são o casal mais fofo e mais apaixonante. Todo o desenvolvimento da história dos dois prende o leitor não pela comédia ou pelos momentos quentes como nos outros livros, mas sim pela doçura e sedução que percorre todo o livro.

Mas vamos a uma consideração importante: Pacote Completo, é na verdade o quarto livro da série, e não o terceiro como publicado aqui no Brasil. Na verdade ele saiu antes de Well Hung, apenas por problemas e atrasos na editora. É possível ler o livro antes do WH, contanto que depois, você não se importe em voltar no tempo para reviver a história de Wytt e Natalie, e nem se importe com alguns spoilers dentro do livro.

Mais uma vez a Faro Editorial fez um trabalho lindo de execução com esse livro. Dedicando todo carinho e cuidado a edição como em todos os outros! Ah! E mais uma novidade: no dia 09 de agosto, a autora Lauren Blakely vai passar por Salvador, especialmente para uma sessão de autógrafos com seus fãs baianos na Leitura do Shopping Bela Vista.

Eu já estou surtando e contando os dias! Mal posso esperar para poder dar um abraço nela e perguntar onde ela escondeu o Nick da minha vida!

[FILMES] OITO MULHERES E UM SEGREDO

14-oceans-8.nocrop.w710.h2147483647

Direção: Gary Ross
Data de Lançamento: 7 de Junho de 2018
Elenco: Sandra Bullock, Cate Blanchett, Mindy Kaling, Sarah Paulson, Anne Hathaway, Rihanna, Awkwafina, Helena Bonham Carter
Gênero: Thriller/Filme policial
Duração: 1h 50m
Sinopse: Recém-saída da prisão, Debbie Ocean planeja executar o assalto do século em pleno Met Gala, em Nova York, com o apoio de Lou, Nine Ball, Amita, Constance, Rose, Daphne Klugere Tammy.

Sem o mesmo nível de hostilidade visceral que se destina a ele como a reinicialização feminina dos Ghostbusters, o Ocean’s 8 realmente tem uma chance por aqui. Talvez seja porque os cineastas reuniram um elenco incrível de atores no topo de seu jogo ou ainda na escalada, há uma sensação de empolgação no ar sobre isso.

E sabe de uma coisa? É divertido. Diversão idiota, mas divertida, no entanto.

Em um aceno claro para cena de abertura do Onze Homens e Um Segredo, Debbie Ocean (Sandra Bullock), irmã de Danny, está em liberdade condicional depois de cumprir cinco anos com promessas de reviravoltas e viver uma vida limpa e simples. Ela imediatamente coloca em prática um plano de um assalto ambicioso para roubar US$150 milhões em valor de diamantes Cartier do pescoço da estrela Daphne Kluger (Anne Hathaway) durante o anual Met Gala em Nova York.

Para fazer isso, ela e sua parceira Lou (Cate Blanchett) têm que montar uma equipe de criminosas interpretadas por Helena Bonham-Carter, Sarah Paulson, Mindy Kaling, Rihanna e Awkwafina. Danny Ocean pode ter precisado de 11 homens para roubar o Bellagio, mas Debbie só precisa de sete mulheres, eventualmente oito.

oceans-8-trailer-preview

A maior decepção talvez do filmes é que há muitos buracos na trama e algumas reviravoltas que levam à crença, incluindo momentos em que você sabe que eles estavam tomando decisões erradas em um 2018 de alta tecnologia obcecada por vigilância.

Mas a história não é realmente porque você está aqui. A razão para ver o Oito Mulheres e Um Segredo é passar tempo com essas mulheres, observando-as planejar e realizar um assalto ousado e arriscado. Há uma química cintilante entre todo o elenco, apenas vê-las tendo um tempo brilhante juntas é divertidíssimo. Porque elas parecem estar se divertindo e você quer se divertir com elas.

Apesar do filme ter um elenco em peso de estrelas, eu senti falta de uma divisão melhor de tempo entre as atrizes para que todo o potencial delas pudesse ter sido valorizado. Ainda assim, cada uma teve o seu momento de apresentação de personagem para que nós pudéssemos compôr toda a paisagem da história principal do filme.

Porém, apesar do tempo de tela ser nitidamente das maravilhosas Sandra Bullock e Cate Blanchett, quem rouba a cena do filme é a Anne Hathaway. Ninguém dava nada para a personagem dela – mal-humorada, impetuosa e insegura – e talvez esse tenha sido o verdadeiro roubo. Hathaway tem incrível timing cômico e o tom levemente cáustico que ela traz ao seu papel e é perfeito.

180530-oceans-8-cast-1-ew-210p_ece35a1104345534de1d854270de8d9e.focal-760x380

Oito Mulheres e Um Segredo é um filme sem desculpas das mulheres – o que não quer dizer que os homens também não vão se divertir muito. Mas quase tudo acontece em espaços tradicionalmente associados às mulheres – Bergdorfs, o Met Gala, joalherias. Em um ponto, Lou tenta convencer Debbie a contratar um homem para um dos papéis e Debbie diz: “ele é notado, ela é ignorada, por uma vez queremos ser ignorados”.

Bem, não há como ignorar essas mulheres. O fato de que este filme de grande orçamento existe, que um estúdio está investindo muito dinheiro de marketing nele, que conquistou três vencedoras do Oscar, e é algo que todos nós estamos percebendo. Eles só poderiam ter trabalhado um pouco mais em alguns detalhes no roteiro e ele seria um filme perfeito.

Oito Mulheres e Um Segredo estréia hoje dia 7 de junho em todos os cinemas por todo o Brasil e definitivamente é um filme que você irá querer assistir. Para querer um gostinho de quero mais, segue o trailer legendado logo abaixo: