FÚRIA VERMELHA

Livro: Fúria Vermelha (#01)
Autor(a): Pierce Brown
Editora: Globo Livros
Tradutor(a): Alexandre D’Elia
Ano: 2014
Páginas: 465
Sinopse: Fúria Vermelha é o primeiro volume da trilogia Fúria Vermelha, e revive o romance de ficção científica que critica com inteligência a sociedade atual. Em um futuro não tão distante, o homem já colonizou Marte e vive no planeta em uma sociedade definida por castas. Darrow é um dos jovens que vivem na base dessa pirâmide social, escavando túneis subterrâneos a mando do governo, sem ver a luz do sol. Até o dia que percebe que o mundo em que vive é uma mentira, e decide desvendar o que há por trás daquele sistema opressor. Tomado pela vingança e com a ajuda de rebeldes, Darrow vai para a superfície e se infiltra para descobrir a verdade.

Compre aqui!

 

“A morte não é vazia como você afirma ser. Vazia é a vida sem liberdade, Darrow. Vazio é viver acorrentado pelo medo, pelo medo das perdas, pelo medo da morte. Digo que a gente precisa romper essas correntes. Rompa as correntes do medo e você estará rompendo as correntes que prendem a gente aos Ouros, a Sociedade. Você conseguiria imaginar isso?”

 

Enquanto estamos órfãos de grandes produções cinematográficas distópicas que nos fazem ficar anos a espera do próximo filme de alguma saga, a melhor opção para não sentir tanta falta desse gênero, que é um dos meu favoritos, é ler livros. Bom, ler livros é sempre uma opção em qualquer cenário, mas as vezes ficamos tão fissurados em apenas um lado da moeda que esquecemos o outro, que nesse caso seria procurar livros do gênero distópico e se afogar neste mar de variedades e histórias que temos por aí.

Fúria Vermelha, escrito pelo americano Pierce Brown, é o primeiro livro da série (inacabada) Red Rising, onde até hoje tem quatro livros da série publicados com o seu quinto ainda sem data de estréia.

Com uma escrita muito detalhada e por vezes densa, o ínicio dele pode ser meio lento até você pegar o ritmo que o autor usou para escrevê-lo e fazer a história ser desenvolvida, porém, assim que você entende a dinâmica da leitura, Fúria Vermelha é o tipo de livro que você só o coloca para baixo quando o termina de ler.

Dividido em quatro partes, Escravo, Renascido, Ouro e Ceifeiro, nós somos levados a conhecer a história de Darrow, um jovem que se morasse no planeta terra teria sido reconhecido com um minerador, mas esse não é o local onde o Darrow mora. Habitante de Marte, que se tornou um planeta terra Transformado, ou seja, um planeta que se tornou habitável, a profissão de Darrow e que ele leva muito a sério, sendo conhecido com o mais novo a exercer a função e com maestria, dando inveja aos homens mais velhos, é de mergulhador-do-inferno, profissão que denominava os escavadores que perfuravam o solo de Marte para tornar o planeta o mais habitável possível para as gerações futuras. E era com esse propósito que o protagonista se deixa ser levado a trabalhar em condições mais que precárias: transformar Marte em um lugar futuramente melhor de se viver.

Como em quase toda sociedade distópica a população é dividida, em Fúria Vermelha não seria diferente, e o primeiro grupo que conhecemos é o Vermelho, onde o nosso protagonista Darrow faz parte, e, fazendo parte da base piramidal, é o povo que mais sofre e trabalha com a promessa de dias melhores que eles mesmos estão criando. As outras camadas sociais, que também são dividas por cores, são as rosas e marrons, azuis, brancos, obsidianos e por último, o topo da pirâmide, que é ocupado pelos Ouros, que é formado por líderes e guerreiros.

Mas o que é levado em consideração para que as pessoas sejam escolhidas e redirecionadas para esses grupos sociais e ficarem nele pro resto da vida? Genética. Todas as pessoas que moram em Marte tem alguma parte específica do seu corpo modificada geneticamente que a faz se enquadrar em alguns dos nichos, ou seja, é impossível você querer se passar por ser uma pessoa de outra camada social, porque alguma característica sua, quer seja cor de cabelo, cor dos olhos ou cabelo, sempre irá te dedurar. Uma vez nascido em uma camada você estará sempre ligado a ela.

Darrow e sua família estão no nível mais baixo da sociedade, e ele parece estar bem com isso. As pessoas ao seu redor parecem estar bem com isso, ele só não imaginava que a sua doce esposa Eo, com sua pouca idade, escondia dentro dela a chaminha necessária para se começar uma revolução e mudar o estado deles de escravos, que quase ninguém via assim. E o estava cansada da maneira que viviam, e estava cansada que o seu marido fosse tão cego, e, em uma tentativa de faze-lo acordar para a realidade do seu povo, durante uma escapada para uma área onde o povo vermelho era proibido de passear, Eo e Darrow foram presos e a partir desse momento a vida de Darrow iria mudar drasticamente e ele não tinha outra opção a não ser abrir os olhos para a sua realidade e tentar muda-la.

Se juntando a um outro grupo de revolucionários, Darrow descobre um mundo muito maior do que aquele que as camadas sociais mais abastadas o faziam saber conhecer, e se antes ele se sentia orgulhoso de ser um mergulhador-do-inferno, uma profissão que ele acreditava ser importante para a vida em Marte, hoje ele sabe que toda a sua vida não passou de uma grande mentira. A vida em Marte já estava acontecendo. Só a dele que não.

Como dito antes, a leitura de Fúria Vermelha pode ser maçante nas primeiras duas partes do livro, onde o autor faz questão de detalhar todos os cenários, mas isso é uma situação mais do que necessária e indispensável quando um autor está começando uma saga em um mundo completamente novo para nós, leitores. Então é válido nós lermos todo esse início denso de características para que a gente não se perca mais a frente do livro, onde as cenas de ação e mais movimentadas, com muitos cenários novos e personagens também, são vistas constantemente.

A única coisa que eu não gostei do livro e que me incomodou um pouco no início, e que isso é uma constante para mim em livros distópicos ou de fantasia, é o fato de que alguns autores parecem não saber como escrever adolescentes salvadores da pátria. Tudo bem que estamos lendo um mundo e uma sociedade que não existem, mas a adultização desses adolescentes de 16 anos, a forma como eles dialogam e como são escritas suas ações e reações não condizem com sua idade, e por mais que fatores como ter que crescer mais cedo que o normal e serem expostos ao trabalho desde a idade de 13 anos, deletar todo e qualquer traço de como um adolescente normalmente lidaria com algumas situações é um defeito que eu não consigo deixar de passar, em nenhum tipo de gênero.

Notícias que de Fúria Vermelha estava sendo adaptado para as telonas pelo próprio autor surgiram na internet, e foram confirmadas pelo mesmo, no ano de 2015, porém, depois de anos sem uma informação nova fomos atualizados ano passado de que os planos haviam mudados, e que agora o interesse deles era de adaptar o livro para uma série.

Enquanto esperamos notícias concretas serem liberadas online sobre o filme ou a possível série, temos como comprar e entrar mais nesse mundo lendo o resto dos livros  série Red Rising: Filho Dourado, Estrela da Manhã e Iron Gold (sem tradução brasileira ainda).

[RESENHA] A CONTRAPARTIDA

Livro: A Contrapartida

Autor: Uranio Bonoldi

Editora: Valentina

Ano: 2019

Páginas: 334

Sinopse: Você se lembra das últimas escolhas importantes que fez? Como elas têm impactado em seu dia a dia? Você está no controle de sua vida? Você tem o genuíno poder de decisão em suas mãos? Se sua resposta for “sim”, será mesmo? E quando a influência que você transmite e recebe é fruto de manipulação? E quando as consequências de nossas escolhas fogem ao nosso controle?


Uma das principais características do gênero literário thriller é que ele sempre tem emoção e sempre terá algo que te prenderá na historia. O objetivo básico dele é manter a pessoa interessada no que esta sendo contado ou narrado, com momentos de ação e empolgantes que faz você querer devorar as folhas o mais rápido o possível, criando assim uma expectativa que terminemos logo ele e que descubramos que é o grande vilão da historia. Uma pena que com esse livro a minha unica expectativa era que ele acabasse logo.

Leia mais »

OSCAR 2019: O que você precisa saber antes de assistir?

Mais um início de ano que chega e com ele mais um término de premiações do meio artístico cinematográfico mundial se acabando. Hoje, 24, acontecerá a última premiação desta temporada com a 91 edição do Oscar, que, como sempre (ou pelo menos nos últimos anos), já começa cheia de retaliações por meio da comunidade artística e pelas pessoas que assistem todos os anos.

Leia mais »

[RESENHA] O FEMINISMO É PARA TODO MUNDO

41fkqduipcl

Livro: o feminismo é para todo mundo
Autor: bell hooks
Tradução: Ana Luiza Libânio
Ano: 2018
Editora: rosa dos tempos
Páginas: 176
Sinopse: O feminismo sob a visão de uma das mais importantes feministas negras da atualidade. Eleita uma das principais intelectuais norte-americanas, pela revista Atlantic Monthly, e uma das 100 Pessoas Visionárias que Podem Mudar Sua Vida, pela revista Utne Reader, a aclamada feminista negra bell hooks nos apresenta, nesta acessível cartilha, a natureza do feminismo e seu compromisso contra sexismo, exploração sexista e qualquer forma de opressão.


“Eu queria que tivessem uma resposta para a pergunta “o que é o feminismo?” que não fosse ligada nem a medo nem a fantasia. Queria que tivessem esta simples definição para ler repetidas vezes e saber que: “Feminismo é um movimento para acabar com sexismo, exploração sexista e opressão.”

[…]

Adoro essa definição […] adoro porque afirma que não tem a ver com ser anti-homem. Deixa claro que o problema é sexismo.”

Leia mais »

[RESENHA] CRISTAL POLONÊS

41vlnefrvnl._sx323_bo1,204,203,200_

Livro: Cristal Polonês
Autor: Leticia Wierzchowski
Ano: 2003
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 176
Sinopse: ‘Cristal polonês’ é uma história sobre a vida de uma família humilde, de origem polonesa, que vive no Brasil. Marcados por uma tragédia, sua história é narrada pela filha mais velha do casal.


Sob a luz prateada da lua de inverno, o lado dormia. Como uma entidade. Como um grande animal sem volume. Como uma mancha de luz derramada sobre o solo. O sono do lado era um cono intocável, de água serena e brilhante. A superfície argenta era como uma coisa de outro mundo, mágica e linda e fantasmagórica ao mesmo tempo;

[…]

Miti olhou tudo e seus olhos se arregalaram de espanto e de emoção. Dentro das suas roupas grandes demais, era um menininho admirado daquele segredo de águas e de lua.
Ele sussurrou baixinho:
– Que lindo, tatá!
E foi aí que o lago se apaixonou por Miti.

A única coisa doce e ingênua que Cristal Polonês tem é o fato de ter sido narrado por inteiro pelo olhar de uma criança de 9 anos. Isso, levando em conta o transcorrer do livro pode te levar num mar de emoções se você parar para sentir de verdade o que está sendo contado.

Leia mais »

[FILME] MÁQUINAS MORTAIS

4

Direção: Christian Rivers
Ano de Lançamento: 10 de Janeiro de 2019
Elenco: Hera Hilmar, Robert Sheehan, Hugo Weaving, Jihae Kim, Ronan Raftery
Gênero: Fantasia/Filme de Ficção Científica
Duração: 2h09m
Sinopse: Anos depois da “Guerra dos Sessenta Minutos”. A Terra está destruída e para sobreviver as cidades se movem em rodas gigantes, conhecidas como Cidades Tração, e lutam com outras para conseguir mais recursos naturais. Quando Londres se envolve em um ataque, Tom (Robert Sheehan) é lançado para fora da cidade junto com uma fora-da-lei e os dois juntos precisam lutar para sobreviver e ainda enfrentar uma ameaça que coloca a vida no planeta em risco.

No início do ano passado chegou ao fim a última saga de filmes de distopia que veio acompanhando outras sagas de grandes sucessos como Harry Potter, Jogos Vorazes, Divergente (porque não né?). Houveram tentativas de falhas e desastrosas de tentar emplacar outras sagas como o finado Percy Jackson e Instrumentos Mortais, mas desde o fim de Maze Runner – A Cura Mortal, nós estávamos órfãos de sagas distópicas nas telonas e com saudades, portanto a ideia de outra saga distópica de best sellers aclamados lá fora para matar a saudades de fãs de distopias chegou em boa hora – uma pena é que veio para matar de desgosto os fãs da série e matar de tédio os que inocentemente compraram o ingresso.

Leia mais »

[FILMES] BUMBLEBEE

4Direção: Travis Knight
Ano de Lançamento: 20 de Dezembro de 2018
Elenco: Hailee Steinfeld, John Cena, Gracie Dzienny, Vanessa Ross, Peter Cullen, Megyn Price
Gênero: Ficção/Ação
Duração: 1h53min
Sinopse: No ano de 1987, Bumblebee encontra refúgio em um ferro-velho de uma pequena cidade praiana da Califórnia. Charlie (Hailee Steinfeld), prestes a fazer 18 anos e buscando seu lugar no mundo, encontra Bumblebee machucado e sem condições de uso. Quando o revive, Charlie logo percebe que este não é qualquer fusca amarelo.

Bumblebee é o mais recente filme habitado no mundo de Transformers, que é o sexto filme a ser lançado da franquia e é uma prequela que se passa nos anos 80 divertida, sincera e cheia de ação que inaugura uma nova – e melhor – era de filmes sobre os Autobots.

Leia mais »