[Resenha] Quinze Dias

quinze_dias_1494438332678885sk1494438332bLivro: Quinze Dias

Autor: Victor Martins

Editora: Globo Alt

Ano: 2017

Páginas: 208

Sinopse: Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática.

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho.

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

 

As férias de Felipe finalmente chegaram e, junto com elas, a liberdade de toda a opressão da escola. Ele planejou passar todos os dias maratonando séries e filmes no Netflix e apenas existindo, só que o seu vizinho gato sexy maravilhoso com umas pernas incríveis e que fica lindo de pijama e fabuloso de sunguinha vai dormir na sua casa, ou melhor: NO SEU QUARTO durante quinze dias e, além de lidar com suas próprias inseguranças, o protagonista vai aprender a lidar com o mundo e, não só um romance bobo, mas este livro é uma baita jornada em busca da autoaceitação. Que hino, meus amigos, que HINO!

“—Pode deitar, se quiser — eu digo e me dou conta de que isso parece o convite para sexo mais estranho de todos os tempos.”

giphy (4)

Este livro é do Vitor Martins, o booktuber em figura de gente, ele parece um artistão da porra, criativo e simpático, mas na verdade ele é muito, muito mais que isso. Sim, eu amo o canal do Vitor e assim que ele anunciou o seu primeiro livro com a capa + prólogo maravilhosos eu adicionei nos desejados do Skoob. Ou seja: ALTAS EXPECTATIVAS, o que pode ser tão perigosíssimo feito a espada de um samurai na hora de ler algo, mas que, quando o livro é tão bom quanto o esperado, a satisfação é ainda melhor do que seria se não tivesse expectativas. E bem, esse livro é MUITO BOM!

giphy (3)

“Da maneira que as coisas mudaram quando Caio disse ‘eu sou gay’, elas mudam quando eu falo ‘eu sou gordo’. Porque ‘gordo’ é o tipo de palavra que as pessoas tentam esconder a qualquer custo. Todo mundo diz ‘fofinho’, ou ‘forte’, ou ‘grande’, ou ‘cheiinho’, mas nunca GORDO. Gordo é uma palavra sem volta. Quando você afirma uma coisa, por mais que ela esteja clara para todo mundo, ela se torna real.”

Eu notei bastante de My Mad Fat Diary na história. Tanto o protagonista (Felipe, que nome lindo, hein? Tá, é o mesmo nome que o meu, mas é maravilhoso mesmo assim…) com a sua narrativa sarcástica, quanto toda a trama de uma personagem com baixo estima descobrindo o amor próprio, o amor romântico e o amor de simplesmente viver a vida sem se odiar. E tem tantas referências que o Capitão América ficaria no chão. Eu amei muito o seriado e o livro, aliás, se você gosta de um recomendo fortemente o outro e (quantos “e”) MDS é impossível ler essa história e não se tornar um(a) fujoshi (pessoas, geralmente mulheres, mas que shipam loucamente casais gays, amo/sou).

giphy (5)

No fim das contas, Quinze Dias é aquele tipo de livro que você termina sorrindo e sai saltitando pela casa pensando em como a vida pode ser bonita, chega de fotos em preto e branco e de chorar ouvindo Linkin Park, ai tu decide contar pro mozão que amou o livro e percebe que não tem mozão, que a vida é uma vadia cruel e que MDS Caio-Felipes cadê vocês no mundo real? Mas aí a bad acaba porque a mãe do Felipe é muito maravilhosa os dias de semana com atividades temáticas é muito incrível e AHHH é tudo tão bonitinho fofinho lindinho arco íris gifs de gatinho. Sério, é um livro muito aquecedor de coraçõezinhos.

“E então, para quebrar o silêncio, eu digo a verdade. Porque quem diz a verdade abre o caminho para as coisas boas. Acho que foi a minha mãe que disse isso uma vez. Ou Dumbledore.”

Resumindo: FABULOSO DEMAIS! Tudo se passa em Quinze Dias mas eu li o livro em três, e se tivesse com menos preguiça de existir provavelmente teria lido em um, porque a escrita é tão gostosa que passa voando, sabe? E OS PERSONAGENS SÃO MUITO AMORZINHO, tipo, já quero conto deles em um e-book na Amazon pra ontem.

Beijos de Sereia.

giphy (1)

Anúncios

[Resenha] Fique Onde Está e Então Corra

fique_onde_esta_e_entao_corra_1397490343bLivro: Fique Onde Está e Então Corra

Autor: John Boyne

Ano: 2014

Editora: Seguinte

Páginas: 222

Sinopse: Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai.

Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados — enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam perdidos, estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar.

Seu pai logo se alistou para o combate, e depois de quatro longos anos Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa.

 

É triste que algo tão horrível já tenha acontecido na história do mundo, como a primeira guerra mundial, mas é uma tristeza bela que os humanos capazes de tanta destruição podem fazer arte.

Alfie é uma criança de cinco anos quando o seu pai, George, vai para a guerra. Anos se passam sem que ele volte, vivo ou morto, e a mãe de Alfie sempre diz para ele que o seu pai está em uma missão secreta para o governo. Mas Alfie não é bobo, ele sabe que algo mais está acontecendo, então resolve embarcar na sua própria missão secreta. Ele salvará o seu pai.

Essa é uma história sobre personagens, que é o tipo de livro que mais amo. Mesmo que tenha uma aventura interessante como plano de fundo, tem algo ainda mais profundo no crescimento do Alfie e da forma inocente como ele enxerga o mundo decadente de Londres na primeira guerra.

Cada pessoa na estória tem a sua função, mas todos cumprem os seus deveres na narrativa de uma forma completamente natural. Apesar de ser o meu primeiro livro do Boyne, já ficou claro pra mim que ele é um autor bastante talentoso, arquitetando os personagens na trama de forma impecável. De uma forma real.

No fim, não cheguei a chorar (tanto, tá bom, fiquei com o olho marejado) como imagino que irei chorar quando ler The Boy in the Striped Pajamas (O Menino do Pijama Listrado, o livro de maior sucesso do autor, uma das minhas próximas leituras), mas é tudo tão encaixadinho que terminei de ler com aquela sensação de assistir um filminho enrolado em edredons em um dia muito chuvoso e friozinho enquanto como pipoca e tomo um café quentinho: a mais pura satisfação.

Como escrevi anteriormente: Alfie enxerga o mundo com muita inocência, o que acaba rendendo uma escrita leve e bem dinâmica. O tema é pesado, e até pode ser um gatilho para pessoas (com parentes que) vivenciaram uma guerra ou tragédia semelhante, mas é sem dúvidas um livro incrível, para crianças, adultos e seres humanos no geral.

Abraços.

[Resenha] A Melodia Feroz – Monstros da Violência #01

 

a_melodia_feroz_1492443434648632sk1492443434b

Livro: Melodia Feroz – Monstros da Violência #01
Autora: V.E. Schwab

Editora: Seguinte

Páginas: 384

Ano: 2017

Sinopse: Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

 

IMG_20170612_123406.jpg

V. E. Schwab, ou Victoria Schwab, é uma autora muito superestimada pelos leitores. Ela é o tipo de pessoa que, se publicasse sua lista de compras do supermercado do ano todo compilada num último volume em hardcover, entraria na lista dos mais vendidos do New York Times num piscar de olhos. Por isso, eu fiquei com um pé atrás para ler A Melodia Feroz, livro que está sendo amado por quase geral, pois se eu não gostasse, admitir isso publicamente seria tão polêmico quanto anunciar pro mundo que não gosto de filhotinhos de cachorro, que por sinal gosto muito. Mas prefiro gatos. Mesmo assim, eu recebi o livro na minha primeira e única caixinha do Turista Literário, um serviço de assinatura maravilhoso e caro para desempregados que nem eu (por favor me contratem), e como já tinha pagado oitenta reais nessa bagaça, eu tinha que ler o livro, né? Então eu apaguei o fogo no rabo e li. E realmente… QUE LIVRÃO DA PORRA!

“Somos os atos mais sombrios transformados em luz.”

Depois dessa introdução gigantesca, finalmente vou falar da história. Resumindo a treta toda, é mais ou menos assim:

Neste universo incrivelmente bem construído, a violência gera monstros que se alimentam de carne, ossos e sangue (ou seja, de gente). Existem três tipos deles (Corsais, Malchais e Sunais), cada um gerado a partir de uma violência específica.

“Corsais, corsais, dentes e garras,sombras e ossos abrirão as bocarras.

Malchais, malchais, cadavéricos e sagazes, bebem seu sangue com mordidas vorazes.

Sunais, sunais, olhos de carvão, com uma melodia sua alma sugarão.”

A cidade de Veracidade é separada em dois territórios: Norte e Sul. No Norte, Callum Harker vende proteção para as pessoas, em forma de um medalhão de ferro. No Sul, o líder Henry Flynn tenta manter a trégua entre as duas cidades, eliminando o máximo de monstros que pode e caçando o máximo de pessoas que já criaram monstros com atos violentos, causando mais violência e gerando mais monstros.

giphy (1)

Kate Harker faz de tudo para conseguir a atenção do seu pai, Callum, mas ele a mantém afastada de Veracidade e longe de onde toda a ação acontece. Só que ela quer orgulhar o seu pai, então causa um monte de problemas em todos os colégios internos que estuda (incluindo botar fogo em uma capela, quem nunca?) durante sua adolescência até que, FINALMENTE, o seu pai a manda de volta para “casa”, em Veracidade.

giphy

August Flynn é um Sunai. Ele rouba as almas dos pecadores (pessoas que já mataram pessoas), utilizando o seu violino para materializar as almas e se alimentar delas. Sim, a mitologia desse livro é incrível. Só que August não quer ser um monstro, ele quer ser um humano. E seu sonho meio que se realiza quando ele recebe a missão de estudar no mesmo colégio que a Kate, se passando por um humano e, caso algo aconteça, dar aquele sequestro básico nela e negociar com Callum em troca da trégua entre as duas cidades, que está sendo ameaçada.

“O nome disso é vida, August. Você queria se sentir vivo, certo? Não importa se é monstro ou humano. Viver dói.”

Essa é a ideia central do livro: dois ideais opostos convivendo, mas não é só isso. O livro toma um rumo diferente do que eu deduzi, com mais ação e reviravoltas, o que acaba sendo muito bom! Os personagens são incrivelmente humanos, até mesmo os monstros e o livro tem aquela escrita que parece um filme dentro da nossa cabeça. Se os outros livros da autora forem tão bom quanto esse, já quero!

“Temia que o vazio só deixasse de existir quando ele deixasse de existir.”

Se ainda não te convenci, te dou logo os cincos motivos para você ler A Melodia Feroz:

1. Os pontos de vista.

2. A capa é linda.

3. É uma distopia, mas não é mais do mesmo. (Cof cof, indireta.)

4. SEM ROMANCE. (Pelo poder da amizade!)

5. E os monstros criativos.

A Sony já comprou os direitos do livro, então espero que façam algo mais Jogos Vorazes do que Divergente. Ou seja: que essa história dê certo nos cinemas.

Um abraço violento e até mais.

source.gif