[Resenha] Um Vento à Porta

um_vento_a_porta_1516642819748400sk1516642819bLivro: Um Vento à Porta – #IrmãosMurry02

Autora: Medaleine L’Engle

Ano: 2018

Editora: Harper Collins Brasil

Páginas: 224

Sinopse: Charles Wallace está em perigo. E o mundo todo também.
Quando a família Murry pensava que os problemas haviam terminado, um novo desafio surge. Charles Wallace agora tem seis anos de idade e na escola o menino se tornou um problema. Sofrendo bullying constante, Meg acha que o novo diretor da escola deveria ser responsável pelo menino, mas Charles Wallace fica terrivelmente doente antes que ela possa ajudá-lo.
Mas há algo estranho acontecendo. Charles Wallace diz a Meg que há dragões no quintal de casa e ela descobre que os dragões na verdade são Proginoskes, querubins feitos de asas, vento e chamas. E mais uma vez este é só o começo de uma nova aventura, onde Meg e seu amigo Calvin precisam correr contra o tempo para salvar seu irmãozinho. E, para fazer isso, eles devem partir em uma viagem para dentro do corpo do menino e lutar para restaurar a brilhante harmonia do universo.
Junte-se a Meg, Calvin e Charles Wallace nesta nova aventura repleta de seres incomuns, mundos novos e muitos heróis que precisam ultrapassar seus medos para salvar o mundo!

Os Irmãos Murry estão de volta! Algum tempo se passou desde a última aventura narrada em Uma Dobra No Tempo, e agora o jovem Charles Wallace, com 6 anos, sofre com bullying no colégio pelo seu jeito peculiar e especial de ser. Meg, fica extremamente preocupada e se sente na obrigação de fazer algo para ajudar seu irmãozinho.

Em meio a tudo isso, Charles Wallace que está a cada dia mais adoentado, afirma ver dragões na horta do dos gêmeos. A vida dos Irmãos Murry, nunca foi normal, e dessa vez não seria diferente. Agora, Meg precisa embarcar em uma aventura ainda mais importante, uma aventura para salvar a vida de Charles Wallace.

O que é real?

Mais uma vez, Madeleine L’Engle usa da simplicidade da escrita voltada ao público infato-juvenil, para nos dar uma grande aula de que o que mais falta no mundo é o amor. Não apenas o amor para com o próximo, mas o amor próprio, o amor ao coletivo. A ideia de que sozinhos não podemos fazer muito, mas juntos podemos mudar o mundo, salvar uma galáxia, uma vida. Como já característico das obras da senhora L’Engle, a grande mensagem se mistura com a ficção científica, dando ao leitor doses homeopáticas de lições de vida.

– Eu os abraço! – gritou ela. – Eu amo vocês, eu Nomeio vocês. Eu os Nomeio, Ectroi. Vocês não são nada. Vocês são.

O livro, assim como Uma Dobra No Tempo, traz uma edição brilhante, com uma capa incrível e um projeto de edição e revisão muito bem preparados. Se você ainda não leu, confira a nossa resenha de Uma Dobra No Tempo.

Ficamos na expectativa é ansiedade para o lançamento dos próximos títulos, dessa que já se tornou umas das minhas séries favoritas.

Anúncios

[Resenha] Vacas [Não Siga o Rebanho]

Livro: Vacas [Não Siga o Rebanho]
Autora: Dawn O'Porter
Ano: 2017 
Editora: Harper Collins
Páginas: 352
Sinopse: Um pedaço de carne; feito para reproduzir; além da sua data de vencimento; parte do rebanho.
Mulheres não têm que se encaixar em estereótipos.Tara, Cam e Stella são estranhas vivendo suas
próprias vidas da melhor forma que podem,apesar de poder ser difícil gostar do que você
vê no espelho quando a sociedade grita que você devia viver de um jeito específico.
Quando um evento extraordinário cria laços invisíveis de amizade entre elas, a catástrofe 
de uma mulher vira a inspiração de outra, e uma lição para todas.
Às vezes não tem problema não seguir o rebanho.
Vacas é um livro poderoso sobre três mulheres julgando uma à outra, mas também a si mesmas. 
Entre todo o barulho da vida moderna, elas precisam encontrar suas próprias vozes.

Só siga o rebanho se ele estiver lendo esse livro!

Com um título intrigante, o livro já inicia com uma assimilação fatídica de uma realidade cultural vivida em países como a Índia onde mulheres são agredidas e violentadas em uma regularidade assustadora e as vacas são divinificadas, mesmo sendo dois mamíferos, não possuem o mesmo respeito. Durante a leitura a forte impressão inicial não morre, agora o aspecto é acentuado por uma narrativa forte e densa sobre o drama diário vivido por pessoas, embora personagens, Tara, Stella e Cam refletem pessoas reais: as mulheres.

Tara é produtora de mídia, mas essa não é sua vida pessoal, mãe solteira de Annie de 6 anos, ela tenta equilibrar sua vida pessoal com longos turnos de trabalho e olhares injustiçados de sua equipe pois acreditam que ela “não se dedica o bastante a causa”, afinal ser mãe solteira foi totalmente opção dela certo? Qual é, não é possível conciliar uma criança com horas extras que não constam em contrato?

– Tara – insiste ele – tem algo que você gostaria de dizer?
(…)
– Sim. Que é uma vergonha que eu tenha que passar por tudo isso, porque foi um orgasmo maravilhoso. Acabamos?

Stella é assistente, admira seu chefe que está prestes a lançar um livro e que precisa de seu sábio controle, pessoalmente Stella vive o drama do vácuo da perda de sua mãe e irmã gêmea por câncer de mama e nos ovários, se é possível para ela estar a par da rotina de procrastinação de seu chefe, manter sua vida pessoal em perfeita equidade é moleza, certo?

E Camilla Stacey? Uma blogueria bem-sucedida com uma página online onde se comunica regulamente com seus milhares de seguidores e em troca em admirada e considerada inspiração com suas reflexões sobre feminismo, para uma mulher que conquista com suas sábias palavras e socializa facilmente on-line, manter toda a sua vida pessoal nos eixos é água com açúcar, afinal ser reprovada diariamente pela própria família e receber hates constante na internet é algo cotidiano e conciliável com sua mente humana suscetível a sentir como qualquer um, não é mesmo?

Peço que você repense sua atitude em relação a essa história. Não é só o caso de uma mulher sendo flagrada, é o caso de uma mulher sendo explorada.

HowItIs

Porém acontece que como qualquer pessoa, ambas possuem suas próprias aflições pessoais, seja pela família que reprova pensamentos emponderadores, ou pelo temor de ser menos “mulher” e não estar confortável consigo mesma. Todos possuem máscaras e mulheres são obrigadas a usá-las diariamente, melhor, a incorporá-las, Vacas é uma síntese sobre dramas femininos de mulheres que personificam mulheres reais, são pessoas que planejam, permutam e crescem dentro de ambientes que não estão prontos para receber suas opiniões, mas estão a postos pra lhe julgar a qualquer demonstração de sentimentos.


Por Viviane, desenhista, designer de interiores, que cozinha mas não sabe cozinhar ovos, péssima costureira e maquiadora, o que isso faz de mim? Mulher, sim, mulher de verdade, que aprende a cada dia, que cresce um pouco todos os dias como qualquer ser humano.