[Resenha] A Melodia Feroz – Monstros da Violência #01

 

a_melodia_feroz_1492443434648632sk1492443434b

Livro: Melodia Feroz – Monstros da Violência #01
Autora: V.E. Schwab

Editora: Seguinte

Páginas: 384

Ano: 2017

Sinopse: Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

 

IMG_20170612_123406.jpg

V. E. Schwab, ou Victoria Schwab, é uma autora muito superestimada pelos leitores. Ela é o tipo de pessoa que, se publicasse sua lista de compras do supermercado do ano todo compilada num último volume em hardcover, entraria na lista dos mais vendidos do New York Times num piscar de olhos. Por isso, eu fiquei com um pé atrás para ler A Melodia Feroz, livro que está sendo amado por quase geral, pois se eu não gostasse, admitir isso publicamente seria tão polêmico quanto anunciar pro mundo que não gosto de filhotinhos de cachorro, que por sinal gosto muito. Mas prefiro gatos. Mesmo assim, eu recebi o livro na minha primeira e única caixinha do Turista Literário, um serviço de assinatura maravilhoso e caro para desempregados que nem eu (por favor me contratem), e como já tinha pagado oitenta reais nessa bagaça, eu tinha que ler o livro, né? Então eu apaguei o fogo no rabo e li. E realmente… QUE LIVRÃO DA PORRA!

“Somos os atos mais sombrios transformados em luz.”

Depois dessa introdução gigantesca, finalmente vou falar da história. Resumindo a treta toda, é mais ou menos assim:

Neste universo incrivelmente bem construído, a violência gera monstros que se alimentam de carne, ossos e sangue (ou seja, de gente). Existem três tipos deles (Corsais, Malchais e Sunais), cada um gerado a partir de uma violência específica.

“Corsais, corsais, dentes e garras,sombras e ossos abrirão as bocarras.

Malchais, malchais, cadavéricos e sagazes, bebem seu sangue com mordidas vorazes.

Sunais, sunais, olhos de carvão, com uma melodia sua alma sugarão.”

A cidade de Veracidade é separada em dois territórios: Norte e Sul. No Norte, Callum Harker vende proteção para as pessoas, em forma de um medalhão de ferro. No Sul, o líder Henry Flynn tenta manter a trégua entre as duas cidades, eliminando o máximo de monstros que pode e caçando o máximo de pessoas que já criaram monstros com atos violentos, causando mais violência e gerando mais monstros.

giphy (1)

Kate Harker faz de tudo para conseguir a atenção do seu pai, Callum, mas ele a mantém afastada de Veracidade e longe de onde toda a ação acontece. Só que ela quer orgulhar o seu pai, então causa um monte de problemas em todos os colégios internos que estuda (incluindo botar fogo em uma capela, quem nunca?) durante sua adolescência até que, FINALMENTE, o seu pai a manda de volta para “casa”, em Veracidade.

giphy

August Flynn é um Sunai. Ele rouba as almas dos pecadores (pessoas que já mataram pessoas), utilizando o seu violino para materializar as almas e se alimentar delas. Sim, a mitologia desse livro é incrível. Só que August não quer ser um monstro, ele quer ser um humano. E seu sonho meio que se realiza quando ele recebe a missão de estudar no mesmo colégio que a Kate, se passando por um humano e, caso algo aconteça, dar aquele sequestro básico nela e negociar com Callum em troca da trégua entre as duas cidades, que está sendo ameaçada.

“O nome disso é vida, August. Você queria se sentir vivo, certo? Não importa se é monstro ou humano. Viver dói.”

Essa é a ideia central do livro: dois ideais opostos convivendo, mas não é só isso. O livro toma um rumo diferente do que eu deduzi, com mais ação e reviravoltas, o que acaba sendo muito bom! Os personagens são incrivelmente humanos, até mesmo os monstros e o livro tem aquela escrita que parece um filme dentro da nossa cabeça. Se os outros livros da autora forem tão bom quanto esse, já quero!

“Temia que o vazio só deixasse de existir quando ele deixasse de existir.”

Se ainda não te convenci, te dou logo os cincos motivos para você ler A Melodia Feroz:

1. Os pontos de vista.

2. A capa é linda.

3. É uma distopia, mas não é mais do mesmo. (Cof cof, indireta.)

4. SEM ROMANCE. (Pelo poder da amizade!)

5. E os monstros criativos.

A Sony já comprou os direitos do livro, então espero que façam algo mais Jogos Vorazes do que Divergente. Ou seja: que essa história dê certo nos cinemas.

Um abraço violento e até mais.

source.gif

{Resenha} Elle (2016)


Filme: Elle
Elenco: Isabelle Huppert, Laurent Lafitte,
Anne Consigny, Charles Berling, Judith Magre
Direção: Paul Verhoeven
Gênero: Drama
Ano: 2016
Sinopse: Michèle (Isabelle Huppert) é a 
executiva-chefe de uma empresa de videogames, 
mas sua rotina é quebrada quando ela é atacada 
por um desconhecido, dentro de sua própria casa. 
No entanto, ela decide não deixar que isso a abale.
O problema é que o agressor misterioso ainda não
 desistiu dela. (fonte: filmow.com)

Hello, hello, hello!

A temporada de premiações começou! E hoje vamos falar de um dos concorrentes mais fortes à categoria de Filme Estrangeiro e à corrida acirrada de atriz principal.

Elle é um drama dirigido por Paul Verhoeven, adaptação do livro “Oh…” de  Philippe Djian. A história começa com o estupro de Michèle Leblanc, chefe de uma empresa desenvolvedora de games. Porém percebemos que sua reação é peculiar. Após o acontecido, Michèle simplesmente levanta, arruma sua casa do estrago que o confronto causou e continua com  sua vida. Apenas dias depois ela decide revelar o abuso para seu ex-marido e amigos em um jantar. Também deixa bem claro que não vai reportar nada à polícia pois acha desnecessário.

Mas Michèle não esquece o acontecido. Ela passa a observar com mais atenção as pessoas ao seu redor e procura se proteger mais. Seu agressor também não a esquece, e a ataca novamente. Assim, a história vira um jogo de gato e rato repleto de violência e suspense.

O melhor do filme, com certeza é a personagem principal. O longa é apenas um estudo sobre ela e como ela lida com o incidente. Michèle é uma pessoa fria, distante e calculadora. Ela repara em tudo e em todos e sempre está um passo a frente e um degrau acima da outra pessoa. Em nenhum momento ela tenta conquistar a empatia do espectador, mesmo sendo a vítima da história você não se pega em nenhum momento com dó.

A interpretação de Isabelle é maravilhosa, minimalista e incrível de assistir. Ela nunca deixa sua personagem parecer fraca ou indefesa, nem deixa o espectador penetrar em outras camadas.

Elle é um filme sobre vingança, violência, prazeres ocultos, traição e um pouco mais. Doentio mas ao mesmo tempo realista. Recomendo muito que vocês assistam e já estou na torcida por Isabelle Huppert, que ganhou minha admiração junto com muitos prêmios, incluindo o Globo de Ouro.

Até mais, e obrigado pelos peixes!

[Resenha] E Viveram Felizes Para Sempre

capa felizes para sempreLivro: E Viveram Felizes Para Sempre
Autora: Julia Quinn
Ano: 2016
Editora: Arqueiro
Páginas: 256
Sinopse: Era uma vez uma família criada por uma autora de romances históricos...
Mas não era uma família comum. 
Oito irmãos e irmãs, seus maridos e esposas, filhos e filhas, sobrinhas e sobrinhos, além de uma irresistível matriarca. 
Esses são os Bridgertons: mais que uma família, uma força da natureza.

Aquele limiar entre felicidade e tristeza!

A obra, brilhantemente envolvida no suntuosa dedicação da Editora Arqueiro, reúne uma coletânea de segundos epílogos de cada um dos Bridgertons, para quem não se saciou com essa família, o livro é uma dádiva deliciosa, recheada de bons momentos e lembranças, desde que Julia decidiu que não era o bastante e concluiu que os fãs tinham razão, os Bridgertons não haviam finalizado, afinal quando enfim seria o dito fim? O fim propriamente dito não existe, mas essa é uma promessa deliciosa de um futuro sem fim.

Em cada um dos contos um pequeno momento se desenvolve e dúvidas são sanadas – outras nascem, não existe contentamento quando se trata dessa família – com um toque todo especial dos momentos em família de cada Bridgerton, incluindo a matrona de todos os tempos, Violet Bridgerton. Com Daphne e Simon a paternidade traz um novo significado 17 anos depois do nascimento do filho mais novo, David – herdeiro do ducado -,  junto a aflição de Colin e Penelope com a similaridade do filho mais novo com o duque de Hastings, retomando a infância deste, a gagueira ainda o acompanha e o pequeno Georgie parece refletir esse passado, o que leva Simon a pensar sobre o seu laço com seu pai, trazendo a tona, o fantasma das cartas que foram deixadas anos atrás aos cuidados de Daphne.

O visconde da família, Anthony, ainda vive em delicioso conflito com a sua enlouquecedora esposa Kath, antes símbolo da família Bridgerton, o Pall Mall tornou-se tradição desde a última reunião peculiar no campo – aquela na qual uma abelha casamenteira entrou em cena. Enquanto isso, remetendo ao conto da Cinderela, Sophie – e Benedict – agora cedem espaço para a irmã postiça de Sophie, Posy Reiling, que aos 25 anos continua sendo Srta. Reiling, o que para a Bridgerton é uma injustiça, desde que se alguém merece um par é Posy, é momento do interlúdio amoroso de Posy com um empurrão – nada leve – de sua irmã Sophie.

Realmente era como se ela não estivesse ali, pensou Sophie.
– Como gosta do seu chá? – perguntou Posy.
– Do que jeito que a senhorita quiser.
Ah, isso já era de mais. Nenhum homem caía tão cegamente de amor que não tinha mais preferências em relação ao chá. Estavam na Inglaterra, Santo Deus. Na Inglaterra, falando de chá. 

Colin nunca seria acusado de não ser um Bridgerton, voltando no tempo para o casamento de Eloise, o Bridgerton tenta a todo custo provocar sua amada esposa com o segredo de sua dupla identidade – uma certa colunista teria uma ou duas palavras a dizer sobre isso. Pulando alguns anos, a mesma Eloise já superou o fatídico sensor humor de Colin e a maternidade lhe deu um novo desafio, afinal os gêmeos Oliver e Amanda já possuem idade de casar e é Amanda que narra esse momento, além dos mais é seu possível matrimônio a brilhar no horizonte, enquanto relembra dos momentos com suas duas mães e o quanto a felicidade está no simples fato de poder ser Amanda amada.

Inegavelmente Francesca e Michael Stirling foram o epítome de uma curiosidade sem fim, afinal foram agraciados com a paternidade que tanto desejavam? Michael convive pacificamente com a malária? Bem, no decorrer desse epílogo podemos ter uma clara visão de um alívio, mesmo que a resposta positiva só é comprovada para o primeiro caso (~suspense~), o conde não perdeu o encanto e todos os argumentos levam a conclusão de que Michael e Francesca podem conquistar toda a Escócia, ela com sua beleza e astúcia, ele com a beleza e charme irresistível, em conjunto com seus rebentos.

– Fiquei sabendo que estive envolvido na geração dele também, mas ainda não vi nenhuma prova – disse Michael, brincando.
Francesca olhou para ele com tanto amor que quase deixou Violet sem fôlego.
– Ele tem o seu charme – disse ela. 

 O mistério enfrentado por Hyacinth St. Clair – e já posto de lado por Gareth – ainda remete as misteriosas jóias, herança da avó de Gareth, todavia, os nervos da Bridgerton de nascença estão sendo testados por sua filha, Isabella, que para tormento da Hyacinth – e deleite de Violet – possui o mesmo gênio da mãe e um faro para mistérios, envolvendo os até então desconhecidos diamantes desaparecidos. Com Lucy e Gregory o decorrer é turbulento, afinal são pelo que sabe são nove filhos, com nomes que homenageiam os irmãos do Bridgerton e a anfitriã da festa em que os dois se conheceram e pelas palavras da Julia, com um pouco de drama um final feliz é ainda mais encantador, então Gregory começa a sofrer o peso de um futuro e uma paternidade inesperados, enquanto Lucy sofre pela possibilidade de ser cortada desse futuro

Para finalizarmos, é a vez dela, Violet Elizabeth Ledger, agora reconhecida e valorizada como a eterna viscondessa Violet Bridgerton, é descrita uma parte conturbada da sua infância, graças ao tal Edmund Bridgerton, que anos depois a reencontra e parece continuar mexendo com o emocional da jovem Violet, uma desavença de infância se transforma em admiração e reage perfeitamente com amor. O obscuro momento da viuvez de Violet, sintoniza os sentimentos do leitor com o sofrimento e a perda da família, posso ter deixado cair uma, dez ou umas vinte lágrimas com essa passagem emocionante, mas só posso registrar aqui: “Ah! Vale a pena cada momento”, que as palavras dessas páginas iluminem sorrisos e façam generosas lágrimas umedecerem suas sensações, afinal Julia nos deixou aquecidos com tanto carinho dessa família tão barulhenta e deslumbrante.

– Não fiz uma promessa, nem nada tão formal. Suponho que, se a oportunidade tivesse surgido, e o homem certo tivesse aparecido, eu poderia ter…
– Se casado com ele – completou Daphne por ela.
Violet olhou de lado para ela.
– Você realmente é uma puritana, Daphne.


 Uma olhadinha do qual vasta essa família se tornou!

family tree

[Resenha] Novembro, 9

novembron_9_1472688702608801sk1472688702bLivro: Novembro, 9

Autor(a): Colleen Hoover

Editora: Galera Record

Ano: 2016

Páginas: 352

Sinopse: Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no 
dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. 
A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – 
a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance 
que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se 
encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o 
conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo 
perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele,
pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?

COMPRE AQUI!

Os últimos anos da vida de Fallon tem sido um completo caos, e nessa manhã não seria diferente, não é mesmo? Durante um cafe da manhã com seu pai, e mais uma discussão, ela conhece Ben, um rapaz que estava escutando toda a conversa da cabine ao lado e está completamente indignado com a forma com o pai tratava Fallon. Ela completamente fascinada por sua atitude, e por ele não se importar com sua aparência (por culpa do pai, Fallon perdeu todas as suas coisas em um acidente , e desde então acredita ter tido sua aparência danificada pelo acidente), resolve passar o dia na companhia de Ben. O dia dos dois foi tão marcante e envolvido por um sentimento tão forte que eles fazem um acordo: Todos os anos eles iram se encontra no dia 9 de Novembro e passariam o dia juntos.

Cinco anos se passam, e ambos esperam ansiosamente pela chegada do 9 de Novembro, pois só assim eles vão estar juntos e seus demônios o mais longe possível.

img_20161109_125054Colleen Hoover possui uma das mais impressionantes escritas que eu conheço. É impossível ler um livro dela e não se apaixonar, pelo enredo e por seus personagens. E em “Novembro 9” não foi diferente. O formato da história ja é conhecido pelo publico, porem o sentimento que a CoHo coloca em seus livros é o que torna especial. Não vou mentir que a leitura desse livro, não foi tão fluida como dos outros livros da autora, “Novembro, 9” tem u leitura mais arrastada que exige mais do leitor, o que para muitos pode ser considerado como um livro “chato”. Para mim o grande diferencial do livro é o fato de a cada 9 de Novembro, nó podemos observar um crescimento emocional dos protagonistas, que se encontram sempre divididos em pedaços, mas quando se encontram é como se estivessem completos novamente. O fato do enredo durar cinco anos foi algo que me agradou bastante, porém o final deixou um pouco a desejar, sendo um tanto quanto previsível demais.

“Você não pode ir embora ainda. Eu não terminei de me apaixonar por você.”

Outro ponto é a personalidade dos personagens e forma como eles se completam entre si fazendo o casal perfeito. Fallon tem varias inseguranças e traumas, que eu preciso confessar me deixou por diversas vezes com vontade dar um “sacode”; já o Ben é o tipo de pessoa que ilumina todo canto por onde passa, porém por trás de todos os sorrisos ele também está partido, e ajudar Fallon, estar com ela já ajuda ele a se reconstruir.

“Você nunca será capaz de encontrar-se, se estiver perdido em outra pessoa”

img_20161109_125228

Um livro apaixonante, com personagens que com certeza vão marcar um lugarzinho no seu coração.

“Quando encontrar o amor, deve agarrá-lo. Você o agarra com as mãos e faz o possível para não soltar. Não pode simplesmente se afastar dele e esperar que dure até que você esteja preparada.”

Continuar lendo “[Resenha] Novembro, 9”

[Resenha] Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

9781338099133_1469728936601538sk1469728936bLivro: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Autor(a):  J.K. Rowling em parceria com Jack Thorne e John Tiffany

Editora: Rocco

Ano: 2016

Páginas: 352

Sinopse: Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele é um sobrecarregado funcionário do Ministério da Magia,marido e pai de três crianças em idade escolar. Enquanto Harry lida com um passado que se recusa a ficar para trás, seu filho mais novo, Alvo, deve lutar com o peso de um legado de família que ele nunca quis. À medida que passado e presente se fundem de forma ameaçadora, ambos, pai e filho, aprendem uma incômoda verdade: às vezes as trevas vêm de lugares inesperados.

Ansiosamente aguardado por milhões de fãs, o oitavo livro da saga de maior sucesso de todos os tempos chega às livrarias de todo o Brasil no dia 31 de outubro, em edições brochura e capa dura. Harry Potter e a criança amaldiçoada é a edição impressa do roteiro de ensaio da peça escrita por J.K. Rowling em parceria com Jack Thorne e John Tiffany, que está em cartaz em Londres e sepassa 19 anos após os acontecimentos narrados em Harry Potter e as Relíquias da Morte.


Compre Aqui.

 

Dezenove anos depois da “Batalha de Hogwarts”, a vida de Harry mudou bastante, mas isso não quer dizer que ficou mais fácil. Ele agora é funcionário do Ministério da Magia, casado com Gina Wesley e pai de três filhos: Lilly, Tiago e Alvo. Porém o seu trabalho com Diretor de Execução das leis magicas consome o seu tempo, e quem mais sofre com a ausência do pai é o jovem Alvo, que agora iniciando seus estudos em Hogwarts vê o peso da fama do pai cair sobre seus ombros, quando durante a cerimonia do Chapéu Seletor, ele diverge de sua família sendo enviado para a Sonserina.

13686489_1013295325453224_6192157217288488869_n

Durante o recesso escolar, Alvo escuta uma conversa de seu pai com Amos Diggory, que implora a Potter que use o ultimo vira-tempo para voltar ao torneio tribruxo e salve a vida de Cedrico, que foi morto pelo Lord Voldermort. Contrariando a palavra de seu pai, Alvo rouba o vira-tempo  e foge junto com seu melhor amigo Escórpio Malfoy. Toda viagem no tempo pode gerar consequências, mas estariam os meninos prontos para lidar com as que eles geraram?

Precisamos deixar claro, que o livro não está escrito em formato de romance, mas sim em roteiro de peça teatral. Tendo isso em mente podemos avaliar o livro, sendo justos com toda a obra.

O roteiro foi escrito por Jack Thorne e Jhon Tiffany, e aprovado pela nossa querida J. K. Rowling, porém mesmo não sendo escrito pela autora original da série, os roteirista fizeram um trabalho maravilhoso ao darem continuidade a saga e saciando o desejo de milhares de fãs no mundo inteiro que morriam por vontade de saber um pouco mais do que aconteceu com Harry e seus filhos.

14900332_1097012523748170_340596731299603505_n

Foi  imensamente gratificante retornar ao mundo mágico e dessa vez com os filhos daqueles personagens que cresceram junto com a gente, algo que tornou o sentimento ainda maior e mais forte. Era algo como ver seus sobrinhos indo para escola pela primeira vez, ou aquelas festa de aniversário onde fazem uma retrospectiva da sua vida com direito a a video dos avós e tudo sabe?

Foi com certeza uma das leituras mais importantes do ano, e como fã da saga me senti muito feliz por ter mais dos personagens que tanto amo. Um roteiro bem construído e principalmente se levarmos em consideração quão difícil é dar continuidade a personagens tão icônicos como Trio de Ouro: Harry, Rony e Hermione; algo que os autores souberam fazer de forma maravilhosa. Quanto a edição nacional, valeu  pena todos os meses de espera, pois a Rocco fez um trabalho fenomenal e com uma qualidade de fazer inveja a britânicos e americanos, tanto na edição de capa dura, como na edição brochura (que para minha surpresa, e na minha opinião ficou muito mais bonita e confortável que a Capa Dura).

14523299_1071500852966004_6530376745565303475_n

E se você ainda não está satisfeito apenas com o livro novo, no dia 16 de Novembro, lança uma nova franquia do Universo Harry Potter: “Animais Fantásticos e Onde Habitam” da uma olhada no Trailer:

É isso queridos, espero que vocês tenham gostado da nossa resenha e do livro, aproveitem para deixar nos comentários o que você achou.

Um cheiro e até a próxima! 

[Resenhista Convidada] Diário de uma cúmplice

(Convidamos a nossa amiga Carolina Silva, para vir contar a vocês um pouco da experiência dela durante a leitura de “Diário de uma Cúmplice” da autora Mila Wander)

diario_de_uma_cumplice_1461191915397354sk1461191915bLivro: Diário de uma Cúmplice

Autor: Mila Wander 

Editora: Planeta

Ano: 2016

Páginas: 334

Sinopse: Meu nome é Christine, ou pelo menos costumava ser. Professora numa escola infantil, eu levava uma vida bem normalzinha, meio sem graça, até que numa noite eu o vi. 
Começou com uma paquera descompromissada, daquelas que acontece quando você vê um cara gato do outro lado da rua. Ele me olhou, eu olhei pra ele e sorri. Esse joguinho de sedução poderia ter terminado num café, ou quem sabe em um namoro, se ele não tivesse se aproximado de mim e me apontado uma arma.

Não sei o que me deu para salvá-lo da polícia e abrigá-lo na minha casa. Burrice? Solidão? Não tinha a menor intenção de me tornar cúmplice de um criminoso. Mas seu olhar quente, sua fala mansa e sedutora me enlaçaram de tal forma que, de repente, eu me vi no meio de um turbilhão de acontecimentos. Agora, refém da paixão por aquele homem, só me restava relatar em um diário como fui me envolver mais de corpo do que de alma com a maior quadrilha do país.


 

 

Inicialmente comprado para uma amiga mas, quando comecei a leitura… fiquei para mim e comprei outro para ela.

 

Agora, quem vê a capa… O que é isso, Carolina?!? Kkk! Calma! A capa sugere mais que parece – embora mostre um Miguel irresistível, e não apenas aos olhos da Christine ou da Cristal… E as partes onde a Christine pensa em nada além do cheiro dele… os olhos… o abdome… Deixarei ele para ela!  😉

 

Por que gostei?!?…

Uma pessoa que vegeta (uma vida de rotina… Christine é órfã, mora só, professora de escola infantil, não namora, tem apenas uma amiga, a Lessy, que foi quem conseguiu o trabalho para ela… Quem presenteou-a com o diário.) tem a oportunidade de – tá, não ideal o contexto mas… – partir em uma jornada, viver intensamente, conhecer uma parte de si desconhecida e outras pessoas. Empatias são despertadas… Enrascadas… Amizade.

 

Tudo começa por ter avistado o Miguel, um dia depois do seu aniversário (e, portanto, de ganhar o diário), e de repente o salva, ajuda, e… já está em um grupo e não apenas com ele. Descobre que não tem como voltar para casa… Neste grupo conhece um amigo super especial que a ganha de cara!.. O xará: Chris, com um riso que é capaz de iluminar, relaxar, assegurar que tudo terminará bem…

 

“… Aquele riso que eu adorava, que me fazia acreditar que existia mesmo um motivo forte para rir.”

 

E outros: Cristal, Ian e Plínio. Ela salva a vida do Miguel…salva a do Chris… e outra vez… quase o perde!!…

 

“- Salvou minha vida mais uma vez – sussurrou, enxugando minhas lágrimas, sem desfazer o nosso abraço. – Algum dia eu te recompensarei por tudo isso.

– Você recompensa todos os dias. – Olhei bem em seus olhos escuros. – Pode ter certeza de que me salva mais do que imagina. (…)” p.275

 

Sim, o que colocou a Chris nessa foi o amor, a atração irresistível pelo Miguel; mas a amizade conquista muito em mim. E foi ela e o diário no qual a Chris escreve que a salvaram de ensandecer por momentos. Posso ter vibrado ao ler cada vez que o casal passava por cima do receio por suas vidas para viver tal explosão… tal amor; mas comovi-me e derramei lágrimas pela amizade. Amigo dela, que o ama; amigo-irmão dele, sempre ao lado…

 

Romance. Perigo. Atuação… A leitura é fácil, cativa, flui. Sabemos tudo através das narrativas da Chris no seu diário.

– Deu até vontade de ler o outro livro da autora!.. rs. (Já me indicaram “O Safado do 105”! )

 

Um olhar tão magnético como o do Miguel, para deitar-te paralisada/o;

Abraço tão apertado e gostoso como o do Christian!,

 

Carolina

[Resenha] O HERÓI IMPROVAVEL DA SALA 13B

 

o_heroi_improvavel_da_sala_13b_1467922445595607sk1467922445bLivro: O HERÓI IMPROVAVEL DA SALA 13B

Autora: Teresa Toten

Editora: Bertrand Brasil

Ano: 2016

Páginas: 320

Sinopse: Adam Spencer Ross, 14 anos, precisa lidar todos os dias com os problemas que resultam do divórcio dos pais e das necessidades de um meio-irmão amoroso, mas totalmente carente. Acrescente os desafios de seu TOC e é praticamente impossível imaginar que um dia ele se apaixonará. Mas, quando conhece Robyn Plummer no Grupo de Apoio a Jovens com TOC, ele fica perdida e desesperadamente atraído por ela. Robyn tem uma voz hipnótica, olhos azuis da cor do céu revolto e uma beleza estonteante que faz o corpo de Adam doer. Adam está determinado a ser o Batman para sua Robyn, mas será possível ter uma relação “normal” quando sua vida está longe de ser isso?

 

14333646_1049081611874595_2733033420696946869_n

Adam Spencer é um garoto de 14 anos. Um garoto de 14 anos com TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Isso torna sua vida muito complicada, afinal, que garoto de 14 anos passaria as tarde em um grupo de apoio a pessoas com transtornos mentais?

Adam faz parte do grupo de tratamento da sala 13B, um lugar que reune as figuras mais estranhas e loucas possivéis. Ah, e tem a Robyn também. A Robyn é o membro mais novo do grupo de apoio da sala 13B, e o grande amor da vida de Adam. A historia se desenvolve a parti da tentiva de Adam de se recuperar o mais rápido possivel para que possa ficar com a Robyn como um casal, felizes para sempre. Porém todo o esforço em busca de uma perfeição só agrava o TOC do garoto que alem de conviver com próprio transtorno, ainda precisa ajudar sua namora e sua mãe (uma acumuladora compulsiva) a se recuperarem.

O livro traz de uma perspectiva divertida e cativante, assuntos relevantes como depressão e outros transtornos mentais na adolescencia, na perspectiva de um adolescente. Tudo isso com um narrativa bem construída, e que transporta o leitor para o íntimo da mente do jovem Adam, nos seus bons e maus momentos. A edição da Bertrand Brasil da um show quando o assunto é diagramação, fazendo grandes lançamentos do mês morrerem de inveja.

 

Continuar lendo “[Resenha] O HERÓI IMPROVAVEL DA SALA 13B”

[Resenha] Sra. Poe

 

sra_poe_1467921817595602sk1467921817bLivro: Sra. Poe

Autora: Lynn Cullen

Editora: Bertrand Brasil

Ano: 2016

Páginas: 400

Sinopse: 1845: O Corvo, de Edgar Allan Poe, alcança os padrões de perfeição literária e está no auge da moda – sucesso com o qual uma poetisa esforçada como Frances Osgood só pode sonhar. Apesar de não ser grande fã dos escritos de Poe, ela vê com entusiasmo a chance de conhecê-lo e, em um sarau literário, fica atraída por sua magnética presença – e pela surpreendente revelação de que ele admira o seu trabalho. Flerte e sedução culminam em um romance proibido. Mas quando a frágil mulher de Edgar insiste em se tornar amiga de Frances, o relacionamento se torna tão ambíguo e tortuoso quanto um dos contos de Poe. Inspirado na vida e na escrita de Poe e Osgood, e baseado em autênticos detalhes históricos, Sra. Poe é uma história de tragédia e perda envolta em uma aura de paixão e vitalidade.

 

 

Frances Osgood é uma autora de livros infantis e poesias, que já foi muito humilhada e abandonada  pelo seu marido por tentar sustentar a família com seus escritos. A sua principal dificuldade é conseguir vender seu trabalho em 1845, uma época onde as pessoas estão loucas por histórias de terror, suspense e drama.

Em uma roda de amigos autores, ela acaba por conhecer o principal autor do momento: O inesquecível Edgar Allan Poe, e acaba por se apaixonar por ele. Algo que não estava nos seus planos. Porém Poe já é casado com Virginia e eles acabam por viver um triangulo amoroso, onde o aclamado autor, encontra na amante um ombro amigo e uma confidente que por vezes não tinha em casa, uma vez que a química entre eles vai além do físico, mas para o emocional e intelectual também.

Lynn Cullen construiu um romance de época encantador e apaixonante, e mesmo aqueles que assim como eu que não são fãs do gênero, irão se apaixonar do começo ao fim. Com uma narrativa leve e cheia de sentimentos, poderia dizer que esse pode vir a ser um dos melhores romances que li em 2016.

Continuar lendo “[Resenha] Sra. Poe”

[Resenhista Convidada] A Garota do Calendário: Abril

(Convidamos a nossa amiga Carolina Silva, para vir contar a vocês um pouco da experiência dela durante a leitura de “A Garota do Calendário: Abril”, série que de tanto eu falar ela não conseguiu resistir e se deliciou com as aventura da Mia Saunders)

abrilLivro: A Garota do Calendário: Abril (#4)


Autora: Audrey Carlan


Editora: Verus Editora 


Ano: 2016


Páginas: 160


Sinopse: Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... O cliente de abril é o astro do beisebol Mason Murphy, de Boston, que precisa de Mia a seu lado para melhorar sua imagem com os patrocinadores. Mason não está acostumado a ouvir não de mulher alguma, e Mia vai representar o desafio supremo para ele

tumblr_o0qgipvVWC1u230jno1_500

Quem não começa o mês com um certo…

Aaargh!!

Mas já sabemos que a nossa amiga Mia gosta de um desafio… Oui?!

E quem não teve de lidar com crianções-aborrecentes- mentais que olhassem para uma mulher já pensando com a cabeça de baixo e… já devem ter se lembrado!

Sério!!…

O jogador de beisebol do Red Sox Mason Murphy, apesar dos lindos olhos verdes, 1,82m, bíceps e quadríceps… ao abrir a boca… Ninguém merece!…

“E aí, gata!..”

Vocês já assistiram Shrek? Então lembram da cena em que ele tenta explicar ao burro que os ogros…

“Nós somos como cebolas (…) camadas. As cebolas têm camadas!”

A conversa inicial é marcada pela troca de amabilidades temperadas à pequenas farpas e champanhe.

Para compensar, dar uma esfriada nos ânimos, ao abrir as portas do armário: Calça da True Religion, camiseta justa do Red Sox, par de converse…

“…me fez desejar me curvar diante da tia Millie por me conseguir esse trabalho.”

Mason precisa da Mia para melhorar sua imagem. Embora não esteja desamparado – tem a Srta. Rachel para ajuda-lo junto a uma equipe que escolheu a nossa garota! –, a instabilidade de cada dia com uma mulher ou mais, bebidas, festas… Ele precisa de uma namorada.

Nossa amiga tem um… contratempo… e resolve mergulhar com tudo no trabalho: cachorro-quente, pipoca, cerveja e campo de beisebol! E, Oui!, ela é fã do Red Sox!!!

Com um olhar além, percebe o que o Mason realmente precisa. Ok, não serei hipócrita de dizer que uns contratos com marcas famosas e vários zeros não são ‘interessantes’, mas são externos. Ela vê o que ele precisa/quer para ele – e está decidida a ajudar!

Oui, este cliente não é para ela. Mas terá a estabilidade e os contratos. Mia conhece a família dele, como ocorreu com o Anthony, mas esta é o oposto: Tony tinha mãe e irmãs; Mason tem pai e irmãos.

Uma nova oportunidade de aprendizado para a Mia é a organização de um evento que, garanto, emociona… principalmente o que a motivou a idealizá-lo… e não direi qual é pois sei que lerá e comentará aqui o que achou!!…

Mia, apesar de centrada no que é preciso, pega um momento para relaxar – precisava, non? E, por mais mexida que esteja… no pedido, uma certeza:

Não se esqueça de mim.

Nem tem como esquecer!.. Aprende, ajuda, resolve enganos, fica satisfeita com isso, e permanece Jolie – bela!… Sim, Mason amadurece e, quem sabe, pode-se dizer que conquista assento de amigo cativo, junto à bela namorada e, novamente, em despedida, carta:

“… devo sempre dar o melhor de mim e estar aberta às oportunidades que surgirem. (…)
Com todo o meu amor,
Mia.”

Gif

 

[Utilidades] 5 coisas que todo mundo precisa saber ao ir para uma Bienal do Livro

É o seguinte Galera: de 26 de agosto – 04 de Setembro vai acontecer a 24ª Bienal do Livro de São Paulo, e nós estaremos lá cobrindo tudo para vocês.

Como essa não é a primeira Bienal do blog (e com fé não será a última), separamos 5 dicas que todo mundo precisa saber antes de ir para uma bienal:

1- NADA DE DESFILE DE MODA: O IMPORTANTE É O CONFORTO

Todos sabemos o quão importante é a primeira impressão, mas quando se trata de bienal, você pode muito bem deixar os seus Louboutin em casa, e pagar aquele Adidas que você usa para academia (vai por mim. Eles serão bem mais úteis).

3.

Em bienal, muitas pessoas (eu inclusive), ficam desde a abertura dos portões, por volta das 8h da manhã, até a sirene de encerramento as 22h da noite. Então se você ainda não fez suas malas, esse é o momento de separar aquelas roupas bem confortáveis, que suportam um dia inteiro de caminhadas, filas intermináveis e lutas por autógrafos.

21btdh4

2 -“OLHA, OLHA, OLHA, OLHA A ÁGUA MINERAL”

Você vai virar uma sereia de tanta água que você vai querer beber.

giphy

Beber água é super importante. Afinal, o tanto que você irá andar dentro do evento, pode ate ser comparado com a jornada do anel até Mordor. São 408 expositores, espalhados por 60 mil m², fora o numero mínimo esperado de 700 mil visitantes. Então estejam preparado para o calor humano e as horas de caminhada.

bobao

 

3-SENHOR: SUA COMPRA NÃO FOI EFETUADA, POR FALTA DE SINAL NA MÁQUINA DO CARTÃO DE CRÉDITO

É sério. Isso acontece de verdade.

No ultimo ano, diverso stands tiveram problemas com vendas por cartões de crédito e débito, devido a ausencia de sinal de internet, ou rede para poder aprovar as compras. Algo que gerava filas gigantescas e transtornos infinitos. Por isso, opte por compras em dinheiro, que além de facilitar para os stands, você se permite um controle maior de gastos.

raw

4- COME QUE TEU MAL É FOME

anigif_enhanced-buzz-25150-1369005797-9

Que saudades de pagar o equivalente a um órgão vital, por um hambúrguer pequeno ❤

Uma das coisa mais caras na bienal, na minha opinião é a comida. Os stands cobram por vezes valores muito mais alto que os valores dos livros, e os foodtrucks que são mais em conta vivem com filas enormes. Então se possivel leve algum lanche como biscoitos, barrinhas de cereal, ou uma fruta. Coisa que além de te alimentar, te deem energia para enfrentar o dia.

hamster-comendo

5- O IMPORTANTE É SE DIVERTIR

Porque assim: se não for para me divertir eu nem vou!

tumblr_nj0g7eZiPY1rzgy8no1_500

O mais importante de tudo é a diversão. Foi dentro de bienais que conheci alguns dos meus melhores amigos e principais parceiros. Afinal esse é o principal intuito do evento. Não é só comprar livros ou pegar autógrafos, é estar perto de pessoas que amam os mesmos livros que você, pessoas que conhecem de livro tanto ou até mais do que você, te proporcionando momentos incríveis. E para deixar a experiência ainda mais divertida, convidamos os nossos amigos do blog Somente o Necessário para nos ajudarem a montar a nossa playlist especial #CurtindoABienal la no Spotify:

spotify_logo_rgb_green
Clique aqui

Então é isso galera! Nos vemos em SP!

Um Cheiro e até a Bienal!