[RESENHA] YOUR NAME

Livro: Your Name

Autor: Makoto Shinkai

Tradução: Karen Máximo Hayashida

Editora: Verus Editora

Páginas: 186

Ano: 2018

Sinopse: O romance do anime com maior sucesso de bilheteria de todos os tempos. Mitsuha é uma estudante que vive em uma pequena cidade nas montanhas. Apesar de sua vida tranquila, ela sempre se sentiu atraída pelo cotidiano das grandes cidades. Um dia, Mitsuha tem um sonho estranho em que se torna um garoto. No sonho, ela acorda em um quarto que não é dela, tem amigos que nunca viu e passeia por Tóquio. E assim aproveita ao máximo seu dia na cidade grande, onde ela adoraria viver. Curiosamente, um estudante chamado Taki, que mora em Tóquio, também tem um sonho estranho: ele é uma garota que mora em uma cidadezinha nas montanhas. Qual é o segredo por trás desses sonhos tão vívidos? Assim começa a fascinante história de dois jovens cujos caminhos nunca deveriam ter se cruzado. Compartilhando corpos, relacionamentos e vidas, eles se tornam inextricavelmente ligados ― mas há conexões verdadeiramente indestrutíveis na grande tapeçaria do destino? A um só tempo divertido e emocionante, Your name. é uma leitura inspiradora, capaz de dançar sobre o tênue fio entre a realidade, o sonho e o sobrenatural, conforme acompanha as inquietações de uma garota e um garoto determinados a se agarrar um ao outro.

Compre Aqui


Mitisuha sonha com o dia em que poderá sair de sua cidade pequena, e viver na grande Tóquio. Longe dos seu problemas e da mesmice de todos os dias.

Taki segue a sua rotina de todos os dias, ao acordar e sair correndo pelas ruas de Tóquio para o colégio, entre prédios e carros.

Duas pessoas completamente diferentes e distantes entre. Até o dia em que acordaram com seus corpos e vidas trocadas de lugar. Começa aí um grande mistério: por quê em alguns dias eles trocam de lugar, e o que acontece com seus corpos quando isso acontece?

Your Name é o aclamado anime da Netflix, que agora chega ao Brasil em forma de novel, para conquistar o coração de milhares de leitores.

Leia mais »

Anúncios

[RESENHA] Desvendando Princesas

Livro: Desvendando Princesas

Autora: Vanessa Marques

Ano: 2018

Editora: Planeta Literário

Páginas: 299

Sinopse: São Vicente está em festa!
Finalmente, o príncipe Nicolas Volkovich irá se casar com uma plebeia! A família Haddad está em êxtase porque, em breve, sua primogênita se tornará uma princesa! Seria um conto de fadas perfeito, se no meio dele não existisse um porém… Luciana, a futura princesa, desapareceu e somente sua irmã poderá ajudá-la.
Isabella Haddad saiu de São Vicente após um momento trágico e prometeu jamais retornar. Seguiu sua vida e teve sua chance de recomeçar. Até que um simples telefonema na madrugada diz exatamente o que ela menos queria: era a hora de voltar para casa!
Será que Isabella conseguirá desvendar o mistério do desaparecimento da princesa e resistir a tudo aquilo que deixou para trás? Até que ponto o perdão pode apagar as mágoas do passado?

Compre Aqui


Isabella Haddad deixou seu país São Vicente para trás a alguns anos, juntamente com sua família, a realeza e todos os problemas do passado. Mas agora, após o sequestro de sua irmã a Princesa Luciana, ela para ser a única capaz de desvendar esse mistério e impedir um crime ainda maior de acontecer. Mas para isso ela vai precisar lidar com os fantasmas do seu passado e tentar seguir em frente para encontrar sua irmã.

Nesse thriller eletrizante, Isabella se verá em meio a tramas políticos, mistérios e história do passado mal resolvidas. Desvendando Princesas é um livro com um enorme potencial, capaz de te deixar viciado em suas páginas do começo ao fim.

Vamo lá molecada! Essa é a primeira resenha de uma obra da nossa nova parceria Planeta Literário (PL).

Em Desvendando Princesas vamos encarar uma das histórias com maior potencial de desenvolvimento que eu já li nos últimos meses. O livro é um thriller policial, com um ritmo bastante acelerado e instigante, que prende o leitor fazendo-o querer desvendar o mistério.

Como eu disse, o livro tem bastante potencial de desenvolvimento, mas todo esse potencial não foi bem trabalhado pela autora, o que fica explícito em sua narrativa cheia de falhas de continuidade e progressão, que por diversas vezes se perde na tentativa de inserir um drama a mais ou um contexto romântico fora de hora. Outra falha da narrativa está em não apresentar ao leitor todos os detalhes referentes a ambientação e história de fundo dos personagens, uma vez que o enredo se desenvolve após uma lacuna de tempo entre os fatos que afastam a protagonista e os fatos que a trazem de volta.

Para um leigo, esse fatores podem ser perfeitamente ignorados durante a leitura, se prendendo apenas ao ritmo acelerado do desenvolvimento da história e o mistério intrigante.

A edição do livro por outro me surpreendeu de forma positiva, desde o cuidado com a arte de capa, e edição das internas. Faço uma ressalva ao tamanho de fonte, que para uma pessoa com miopia como eu pode ser um tanto como incômodo para ler na rua ou a noite

Apesar das minhas ressalvas, minha experiência com o livro, não foi de todo ruim. Eu me apeguei a história, me vendo ansioso para retomar a leitura sempre que possível, e passando por cima desses detalhes que incomodaram ao blogueiro, mas me foram insignificantes como leitor.

Se você já leu esse livro, e teve uma experiência diferente da minha, comenta aqui para eu saber o que você achou!

Um cheiro e até a próxima!

[Resenha] No Ritmo do Amor

Livro: No Ritmo do Amor

Autora: Brittainy C. Cherry

Editora: Record

Ano: 2018

Páginas: 336

Sinopse: Duas almas atormentadas unidas por uma grande paixão.

A linda e encantadora Jasmine Greene nasceu para brilhar. Cantora nata, ela cresceu sabendo que tinha vindo ao mundo para ser famosa, pois sua mãe — uma artista frustrada que concentrava na filha todas as suas expectativas — não a deixava se esquecer disso um minuto sequer. A vida da jovem de 16 anos se resume a estúdios, aulas de dança e canto e a inúmeros testes para ser o grande nome da música pop. Ela não tem tempo nem de ir à escola, é educada em casa e sofre com a rotina atribulada.
Para Jasmine, o pior de tudo é não poder cantar soul, sua paixão.

Mas ela não reclama, porque, na verdade, seu maior sonho é fazer com que a mãe tenha orgulho dela. Elliott Adams é uma alma atormentada. Para ele, cada dia é uma batalha a ser vencida. O rapaz tímido, humilde e franzino sofre bullying na escola por causa de sua aparência e por ser gago. Mas ele é mais forte do que imagina e encontrou em seu saxofone uma válvula de escape. Tira todas as suas forças dos acordes de Duke Ellington, Charlie Parker e Ella Fitzgerald, seus maiores ídolos.

Quando Jasmine finalmente consegue a permissão da mãe para frequentar a escola pela primeira vez na vida, sente que ganhou na loteria. Adora estar cercada de pessoas da sua idade, que vivem os mesmos dilemas e questionamentos… ela só odeia ver o garoto mais encantador que já conheceu na vida sofrer na mão dos valentões e fará tudo o que estiver ao seu alcance para mostrar a Elliott que ele não está sozinho. Aos poucos, esses dois jovens sofredores irão descobrir que têm muito mais em comum do que o amor pela música. Mas será que vão superar as reviravoltas que o destino preparou para eles?


Tudo que Jasmine queria era cantar. Cantar o Soul que tanto ama, espalhar sua alma pelo mundo com sua música, mas para sua mãe isso não era o bastante… Para ela, Jasmine precisava ser famosa, uma Diva Pop, rica e cheia de fãs, mesmo que para isso ela tivesse que vender a própria filha e sua felicidade para indústria da música.

Entre uma rotina exaustiva de aulas, ensaios e horas no estúdio de gravação, Jasmine conhece Elliot Adams, um garoto gago que estuda na mesma escola que ela, e passa os finais de semana tocando Sax nas ruas de Nova Orleans. Elliot é uma garoto tímido que sofre bullying, mas mesmo assim permanece com seu coração puro e cheio de amor pela música.

Logo uma amizade inesperada surge entre os dois, um amor ainda jovem começa a nascer em seus corações. Mas a ganância da Mãe de Jasmine, faz com elas se mudem para Londres, enquanto o bullying com Elliot chega a níveis extremos, destruindo um coração puro.

Agora seis anos depois, muitos e-mails não respondidos e sentimentos não ditos, Jasmine e Elliot se reencontram, e o amor entre eles ainda está ali, mas será que irá sobreviver as mudanças e aos monstros que os atormenta?

No Ritmo do Amor é o primeiro livro da série Music Street, da autora Best Seller Brittainy C Cherry. Uma história cheia amor, música e envolvente do começo ao fim.


Quando eu pensava que a Brittainy não poderia me dar um novo livro favorito, vem ela e lança “No Ritmo do Amor”.

Um história envolvente e apaixonante, que trata de assuntos tão relevantes como Bullying e Assédio Moral, de uma forma direta, pronta para fazer o leitor pensar e refletir sobre a própria vida e os próprios monstros e as próprias verdades.

Com uma narrativa bem elaborada e um desenvolvimento bem construído, a autora nos conta não apenas a história do casal protagonista, mas também de todos aqueles ao seu redor que contribuem de forma tão importante para a vida da Jasmine e do Elliot.

A edição do livro é um “show” a parte, graças ao já conhecido trabalho que o Grupo Editorial Record dedica as suas publicações.

No Ritmo do Amor é um livro que vai lhe proporcionar todos os tipos choros e emoções durante a leitura, quebrando seu coração ao mesmo tempo que cola os pedaços, e te faz desejar ansiosamente os próximos livros da série.

[Resenha] Mais forte que o sol

Livro: Mais Forte que o Sol (Irmãs Lyndon #2)
Autora
: Julia Quinn
Tradução: Viviane Diniz
Ano: 2018
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Sinopse: Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.
Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.
Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.
No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal…

Esse deve ser o romance de época mais hilário desse ano

O que acontece quando um homem adulto despenca de uma árvore quase em cima de você? Eleanor Lyndon pode responder essa, porque é quando o audaz conde de Billington, Charles, despenca quase em sua cabeça – não em seu colo, devo ratificar – que uma série de acontecimentos tornam a presença inesperada desse estranho e charmoso homem em sua vida, bastante oportuna, até mesmo a proposta precipitada de casamento que ela recebe desse estranho, lhe soa como algo familiar, uma negociação. Ainda solteira, Ellie mora com seu pai, também vigário local, um homem difícil e de opiniões rígidas, só que o pior está por vir:  o Sr. Lyndon está para casar, seria ótimo para Ellie ter uma madrasta após perder sua mãe e o recente casamento de sua irmã Victoria.

Leia mais »

[Resenha] Hoje e Sempre

hoje_e_sempre_151813871014970sk1518138710b-2020576446.jpgLivro: Hoje e Sempre – Coleção MacGregor #5

Autora: Nora Roberts

Ano: 2018

Editora: Harlequin Books Brasil

Páginas: 192

Sinopse: Daniel MacGregor sempre soube que construiria um império. Por isso, aos 30 anos e trabalhando para conquistar seu segundo milhão, ele decide que é a hora certa de encontrar a mulher perfeita para casar e começar uma família. As melhores candidatas são aquelas de linhagem forte, silenciosas, bonitas e que queiram ficar em casa cuidando dos futuros filhos. Anna Whitfield não se encaixa nesse perfil. Ela é a única mulher da turma de medicina e aspira ser uma ótima cirurgiã. A última coisa que Anna deseja é se casar e ter filhos, pois isso iria interferir na sua dedicação à carreira médica. Mas Daniel não vai deixá-la fugir da atração que sentem, mesmo que para isso tenha que ignorar seus instintos que imploram por um casamento e aceitar a proposta de Anna de apenas morarem juntos. Essa situação será um escândalo que apenas o amor poderá superar! Finalizando o arco da família MacGregor, Hoje e sempre vai emocionar as leitoras com uma história controversa e repleta de amor!

Anna Whitfield sempre soube o que queria para sua vida. Em plena década de 40, ela lutava contra o preconceito e se dedicava de corpo e alma para seu sonho de ser médica. Enquanto todas as jovens da sociedade de Boston, procurava por bons casamentos com maridos ricos, Anna só pensava em terminar seu último ano de faculdade e iniciar uma residência.

– Mas amar…- Ela suspirou, lembrando-se. – é como um labirinto, Anna. Há curvas e becos sem saída. Você tem que continuar andando e confiando.

Daniel MacGregor é um homem de negócios, determinado. Aos 30 anos trabalha arduamente para conquistar seu segundo milhão tanto quanto trabalhou para conquistar o primeiro. Dono de varia empresas de sucesso, agora ele procura uma esposa, vinda de uma boa linhagem, que lhe dê bons herdeiros. Mas é na indomável Anna que ele encontra o amor e uma paixão tão intensos que fará tudo que for necessário para tê-la.

Embora tivesse nascido pobre, Daniel MacGregor não venerava o dinheiro. Ele o utilizava, empunhava e jogava com ele. Dinheiro era como o poder, e poder era como uma arma.

“Hoje e Sempre” é o quinto livro da coleção MacGregor, da autora best seller Nora Roberts. Uma história forte e envolvente que promete agarrar o leitor e fazê-lo se apaixonar de forma tão intensa quanto seus protagonistas.

– É tudo sobre amor e sorte, não é?

– A maioria das coisas é.

15212180821111689407865.jpg

SOCORRO QUE LIVRO É ESSE?!

Hoje e Sempre é um dos nossos primeiros recebidos em parceria com a Harlequin Books Brasil. E preciso dizer que fiquei muito confuso com esse livro, assim que o recebi.

Ele é o quinto livro da série, e como nos chegou sem maiores informações, ficou a dúvida se poderia ser lido fora de ordem, sem estregar a linearidade da história. Só por esse ponto já entrei em desespero, mas resolvi arriscar a leitura, afinal, é Nora Roberts. Não tinha como dar errado.

Todo assumimos riscos, Anna. Se estamos realmente vivendo.

Anna e Daniel MacGregor são os patriarcas do atual Clã MacGregor, e nesse livro vemos um história de amor divertida e cativante. Ambos possuem temperamento muito fortes e parecidos. Os dois são determinados, arrogantes e cabeça dura, o que torna a relação instigante e em diversos momentos hilária.

Mas de longe, o que mais me cativou no livro, foi a própria Anna e seu pensamento fortemente feminista em plena década de 40. A forma com ela se impunha diante de uma sociedade conservadora e enfrentava o preconceito por estar tentando carreira em uma profissão, tão tipicamente masculina. Até mesmo a forma como ela derrubava aos poucos o pensamento machista de seu amado Daniel.

Sobre a edição:

Se você esteve em uma caverna nos últimos meses, você ainda não sabe que a Harlequin Books, clássica editora dos romances de banca, está se repaginando e trazendo para as livrarias, seus clássicos de publicação como a Coleção MacGregor, edições belíssimas é muito bem repaginadas, desde sua arte de capa, ate um primoroso trabalho interno de edição e revisão.

Eu estou muito ansioso para continuar com a leitura dessa série e espero muito em breve poder conferir o que foi feito da vida do Clã MacGregor. Migos da Harlequin, vcs bem que ja podem mandar os outros livros dessa série!

[Resenha] Homem de Lata

Livro: Homem de Lata

Autor: Sarah Winman

Editora: Faro Editorial

Páginas: 160

Ano: 2018

Sinopse: Em 1963, Ellis e Michael eram dois garotos de doze anos que se tornaram grandes amigos. Durante muito tempo, sempre foram apenas os dois, andando pelas ruas de Oxford, um ensinando ao outro coisas como nadar, descobrir autores e livros e a esquivar-se dos punhos de seus pais dominadores. Até que um dia algo muito maior que uma grande amizade cresce entre eles. Mas então, avançamos cerca de uma década nesta história e encontramos Ellis, agora casado com Annie, e Michael não está mais por perto. O que leva à pergunta: o que aconteceu nos anos que se seguiram? Esta é quase uma história de amor. Mas seria muito simples defini-la assim.

A História de Ellis pode lhe parecer um pouco comum até. Faz alguns anos que ele perdeu a esposa em um acidente de carro, e hoje dedica sua vida ao trabalho.

Mas nós últimos dias tudo aquilo que sempre esteve na sua cabeça parece voltar a tona. A perda de sua mãe, sua amizade com Michael, seu amor por ele, a dor pela perda de Annie… E a grande questão: Porque ele Michael se afastaram?

Em Homem de Lata, encontramos uma história de amor, um drama, e uma história de vida, tudo junto e entrelaçado, com a missão de aquecer o coração dos leitores e arrancar suas lágrimas, tornando impossível não se apaixonar pelo Ellis.

Sarah Winman constrói uma história cheia de sentimentos, digna de um roteiro cinematográfico. Uma história bem construída e desenvolvida do começo ao fim, capaz de fazer os mais sérios chorarem (sério, minha mãe chorou. E olha que ela não chora nem descascando cebola), e os apaixonados se derreteram de amor.

A Faro Editorial nos trouxe esse livro para o Brasil, em uma edição belíssima super bem elaborada, como já é comum da editora, somando com um preço justo e acessível ao público.

Esperamos que muito em breve tenhamos mais livros dessa autora no Brasil, pois Sarah Winman já conquistou nossos corações!

[Resenha] Nevernight

nevernight_1496925073672288sk1496925074b-1664970340.jpgLivro: Nevernight

Autor: Jay Kristoff

Editora: Plataforma 21

Ano: 2017

Páginas: 608

Sinopse: histórias sobre Mia Corvere, nem todas verdadeiras. Alguns a chamam de Moça Branca. Ou a Faz-Rei. Ou o Corvo. A matadora de matadores. Mas, uma coisa é certa, você deveria temê-la.

Quando ela era criança, Darius Corvere – seu pai – foi acusado de insurreição contra a República de Itreya. Mia estava presente quando o carrasco puxou a alavanca, viu o rosto do pai se arroxeando e seus pés dançando à procura do chão, enquanto os cidadãos de Godsgrave gritavam “traidor, traidor, traidor”…

No mesmo dia, viu a mãe e o irmão caçula serem presos em nome de Aa, o Deus da Luz. E, embora os três sóis daquela terra não permitam que anoiteça por completo, uma escuridão digna de trevas tomou conta da menina. As sombras nunca mais a largaram.

Mia, agora com dezesseis anos, não se esqueceu daqueles que destruíram sua família. Deseja tirar a vida de todos eles. É por isso que ela quer se tornar uma serva da Igreja Vermelha – o mais mortal rebanho de assassinos de toda a República. O treinamento será árduo. Os professores não terão misericórdia. Não há espaço para amor ou amizade. Seus colegas e as provas poderão matá-la. Mas, se sobreviver até a iniciação, se for escolhida por Nossa Senhora do Bendito Assassinato… O maior massacre do qual se terá notícia poderá acontecer. Mia vai se vingar

Mia Covere viu seu pai ser enforcado diante dos seus olhos.

Não trema.

Viu sua mãe e seu irmão, ainda bebê serem levados, pelos lumiinati para a prisão na pedra filosofal.

Não tema.

Viu sua vida, ser destruída por aqueles que pregavam estar fazendo a justiça divina. E agora ela vai se vingar.

Nunca esqueça.

Depois de anos sendo treina pelo velho Mercúrio, pelas ruas e vielas de Godsgrave, chegou a hora Mia ir em busca da sua vingança. Mas para isso, primeiro ela precisa se tornar uma Lâmina da Igreja Vermelha, devota de Nossa Senhora do Bendito Assassino, uma antiga organização secreta, que forma os melhores assassinos da história de Iterya. Mas para isso ela deverá passar por várias provas e testes, muitos deles fatais, e mostrar que existe uma diferença entre ser feita de ferro e ser feita de vidro.

Eu sou aço.

Em Nevernight, vamos acompanhar a trajetória da Moça Branca e sua jornada para fazer justiça e se vingar daqueles que arruinaram sua vida (ou seriam aqueles que lhe deram um propósito para o qual viver?). Entre aulas mortais, inimizades, desejos e a luta pela sobrevivência, Mia enfrentará muitos inimigos, e até a si mesma, no primeiro volume dessa trilogia que promete arrancar seu fôlego do começo ao fim.

Quando sangue é tudo, tudo é sangue.

Antes de qualquer coisa preciso muito agradecer a Nick Mafra (@nickmafra), e a Julianne Viturini (@julianevituri) por me influenciarem digitalmente a ponto de eu ficar semanas desesperado atrás desse livro.

A idéia inicial era acompanhar a leitura coletiva do The Buddy Reads (@thebuddyreads), dois capítulos por dia, do dia 10/03 até dia 30/03, porém já nos primeiros capítulos ficou muito claro para mim que seria impossível acompanhar esse calendário dada a narrativa e enredo tão envolventes a ponto de me fazer passar o dia pensando apenas no livro.

O livro possui personagens super cativantes, entre eles e na minha opinião o melhor deles, o narrador com seus comentários sarcásticos e instigantes. Jay Kristoff criou um universo envolto em intrigas políticas e fanatismo religioso, com uma protagonista que possui um crescimento evidente em seu objetivo e sobre quem ela é. Outro fato interessante que me tirava o folego a cada capitulo eram os flashbacks da infancia de Mia, nos dando uma nova perspectiva de como foi o surgimento daquela que se tornaria a Matadora de matadores. Como um bom livro voltado para o publico adolescente, não poderia faltar um relacionamento  amoroso entre a nossa protagonista e um belo rapaz.

Já faz algum tempo que um livro não me instiga dessa forma, me fazendo desejar e sofrer pelos próximos volumes. Nos últimos anos, apenas a Cassandra Clare conseguiu tal proeza. Mas posso garantir, que a partir de hoje, o Jay Kristoff já possui um lugar cativo na minha estante.

Agora precisamos falar sobre edição. Já conhecendo outros livros da Plataforma 21, esperava um trabalho gráfico e de edição que valesse a pena o preço de capa que pagamos pelo livro. Nevernight, tem diversos defeitos que não condizem com o valor que pagamos por ele (R$49,90):

  1. – Páginas Brancas, finas e transparente de baixa qualidade;
  2. – Fontes pequenas, que nos trechos em itálico proporcionam a míopes como eu, dores de cabeça e talvez uma visita ao oftalmologista;
  3. – Esse último tópico pode ser um excepcional do meu exemplar, vale ser pontuado: Páginas grudadas.

Tirando esse itens direcionados unicamente a edição brasileira, eu super recomendo a vocês a leitura de Nevernight. Mas leiam com a certeza de irão se apaixonar e contar os segundos até o lançamento de Godsgrave, segundo livro da série em Junho!